Mulher de graça

Adnet faz graça e posa com mulher grávida Estudante de engenharia química exibiu a barriga e o humorista a imitou a pose. 'Nós três', escreveu a jovem Mulher com graça é aquela mulher que acorda de manhã cedo e sai para trabalhar para trazer o sustento para a família. Mulher com graça é aquela que dedica sua vida aos filhos e ao marido. Mulher com graça é aquela que tenta sempre ajudar o mais necessitado. Mulher com graça é a médica, dentista, comerciante, frentista, bombeira ... Mulher de infinita Graça. Toggle navigation. ... Ou seja, o que menos essa mulher precisa é de julgamentos, intolerância, comparações, ou qualquer sentimento, que somente quem vive tem condições de opinar, visto que, impossível dizer qual o tamanho das dificuldades, benefícios e malefícios, sem vivenciar o dia a dia, desta ... A mulher começou a sentir contrações durante a viagem, o piloto tentou fazer um pouso de emergência em Munique, na Alemanha, mas não deu tempo. Por sorte, havia um médico a bordo que realizou o parto e não houveram complicações. ... Mulher dá à luz em voo e bebê poderá viajar de graça pelo resto da vida 26/09/2020 15h47. Rostos ... Perfil de Graça-82: Falar sobre mim é suspeito,, sou honesta sincera romântica e carinhosa... Documentos da quebra de sigilo bancário de oito familiares da ex-mulher de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Valle, lotados no gabinete de Flávio Bolsonaro, mostram que eles tinham o hábito de sacar várias vezes 500 reais de suas contas, em datas próximas aos pagamentos. Diz O Globo: “Das 9.859 ...

34 anos e não tenho esposa, filhos e nem hobbies

2020.09.29 06:00 throwawaybaiano 34 anos e não tenho esposa, filhos e nem hobbies

As mulheres dizem que sou bonito, mas desconfio que seja só porque sou classe média alta. Eu transo com mulheres aleatórias, porém no final elas sempre me abandonam porque, segundo elas, "sou psicopata". Acho que ser gordo e negro talvez tenha uma influência nisso e na verdade elas estão me abandonando por puro preconceito. Eu gosto de sentar minha bunda gorda no sofá e jogar videogame o dia todo. Quando vou para o plantão do meu local de trabalho, eu fico o dia inteiro no Discord e no Reddit, perguntando para crianças de 13 anos o tamanho dos tеstículos das mesmas (juro que é puro interesse científico). Também gosto de passar o dia no Discord chamando de gordas as esposas dos membros dos servers em que sou mod. Acho graça em fazer piadinhas homofóbicas, machistas e racistas. Acho que isso tudo, no final, é uma forma de coping.
Reddit, o que eu devo fazer da minha vida?
submitted by throwawaybaiano to desabafos [link] [comments]


2020.09.28 21:21 BreadfruitAny3599 Talvez o pior pai do mundo

É um assunto que vem me corroendo já faz quase dois anos. Meu pai traí minha mãe, mas a mesma sabe disso e como ela é o tipo de mulher que não aguenta calada, já explodiu diversas vezes em relação a isso. Por mais que minha mãe tenha mil evidências (até mesmo eu que assim que já recebi ligação de um cara dizendo que meu pai estragou o casamento dele), meu pai continua negando até a morte. A última vez, minha mãe acabou descobrindo que ele estava na casa da mulher em uma madrugada e no outro dia discutiram. A pior parte é saber que ele gasta dinheiro com essas mulheres, mas se preocupar comigo e meu irmão que é bom nada. Tudo que eu tenho é graças a minha mãe, e a única coisa que ele pagou (ainda com minha ajuda) foi meu celular, e mesmo assim, fica passando na minha cara que comprou ele até hoje.
submitted by BreadfruitAny3599 to desabafos [link] [comments]


2020.09.28 21:13 Samuel_Skrzybski Jornalismo literário. Será que vira?

Oi, amigos :)
Eu sei que esse sub não é exatamente lugar disso. Eu sei também que existem centenas de desabafos realmente sérios aqui e que merecem muito mais a sua atenção do que um mero pedido de feedback – e, aliás, sei também que tem gente aqui que detesta com toda a sua alma quando vem alguém aqui no desabafos fazer a tal "promoção pessoal". Mas não é isso. Eu tenho a mais triste certeza de que nenhum dos meus amigos ia ter o menor interesse e/ou paciência em ler o meu texto para me dar o famoso retorno – não exatamente pela falta do hábito da leitura, mas por me tratarem com uma ausência de seriedade quase que crônica. Então, bom. Acredito que eu tenha o meu espacinho aqui.
Vai, uma breve contextualização: eu faço jornalismo em uma estadual, estou no comecinho do segundo termo e tenho me apaixonado perdidamente pelo new journalism de Truman Capote & Gay Talese. Até aí, ok. Mas nem tudo são flores nessa lua de mel: quem conhece o nicho sabe que é um mercado difícil e extremamente específico, ainda mais aqui no Brasil. Ou seja, para arriscar toda uma carreira no jornalismo literário, não tem jeito: tem que saber fazer. E, é claro. É somente o meu primeiro ensaio no modelo diversional e não está tudo indo às mil maravilhas – longe disso. Mas eu queria muito saber de terceiros se levo jeito. Seria muito convencional ser o meu único crítico agora, nessa fase de protótipos, dizendo em ressonância "Samuel, você escreve muito, cara! Vai nessa que é sucesso" e quebrar a cara no futuro, no mercado, quando o bicho realmente pega. E aí seria, mais uma vez, muito convencional colocar a culpa nos outros. "Vocês não entendem a minha genialidade!". Já vi acontecer muito. Já aconteceu comigo.
Eu sei que a escrita é uma das minhas mais manifestas aptidões – caso não fosse, eu teria apostado as minhas fichas em uma engenharia ou nas ciências biológicas. O que eu quero descobrir é se consigo esqueletar uma narrativa verdadeiramente envolvente com o que eu escrevo. Quem faz ou manja um pouquinho de jornalismo sabe que no hard news o texto é quase que uma fórmula pronta a ser usada: da estrutura do lead, dos critérios de noticiabilidade, da pirâmide invertida, etc, etc etc. Mas para fazer jornalismo diversional é requisito mínimo ter alma de jornalista-escritor, não tem jeito.
Mais um pouco sobre a breve contextualização (risos): o que segue abaixo é um trechinho – a história completa seria uma Bíblia inteira e vocês certamente iam me jogar tomates nos comentários hahahaha – do meu primeiro projeto pessoal no jornalismo literário, que se chama "Do amor e suas amarras". A ideia central é falar acerca de um evento fantástico que tem acontecido comigo recentemente: o amor, de facto, pela primeira vez em meus 20 anos de vida. Uma paixão espalhafatosamente platônica por uma garota – também estudante de jornalismo, alguns semestres na minha frente – que está em um relacionamento sério já há 54 semanas, muito antes das nossas vidas se cruzarem. Mas antes de abordar as minhas primeiras impressões sobre esse sentimento estrambótico, arrasador e abstrato, eu quero passear por algumas histórias específicas que ilustram com fidelidade a personalidade dos quatro membros da minha família, com quem convivo desde sempre – incluindo eu –, de modo que um relato leve a outro até chegar, por fim, no meu amor incondicional e tosco pela menina.
A história condutora deste trechinho é factual, ela de fato aconteceu há cerca de doze ou treze anos no passado – "integralmente real, embora nem tudo seja verdadeiro". Escutei ela inúmeras vezes da minha mãe, a tal Nadia Saldanha – personagem principal da narrativa –, no decorrer da minha vida, sobre como ela "injustamente" foi chutada para fora da Pastoral da Família da tal Igreja de São Miguel Arcanjo.
O que eu quero são sugestões sobre pontos onde eu posso melhorar e críticas – críticas construtivas, pelo amor de Deus!
[Ah, a propósito, de antemão, eu já deixo uma pergunta: eu percebo que, em meus escritos, as frases sempre são exageradamente longas. Às vezes contruo parágrafos inteiros utilizando somente um ou dois pontos finais. Vocês acham que isso atrapalha muito a vida de quem lê? Ao ponto do leitor se perder no meio da frase e tal]
E, em especial, eu quero saber se vocês acham que é plausível para mim visualizar um futuro dentro do jornalismo literário. Não precisa ser uma resenha crítica estruturada, mega sofisticada. Pode ser um só um "Vai fundo, mano!" ou um "Ih, com todo o respeito, acho melhor tentar em outra área!".

p.s.1: Se algum colega jornalista aqui do sub quiser conversar sobre jornalismo literário, eu estou totalmente aberto. O processo de "apuração" e decupagem do jornalismo diversional é MUITO legal.
p.s.2: Eu coloquei nomes alternativos em cada personagem do meu texto. Digo, não somente nos personagens: a Igreja, o nome do bairro, a rodovia, a cidade, todos os elementos foram adaptados. Sei lá, a gente nunca sabe quando vamos ser reconhecidos por essas redes hahahahaha
p.s.3: Eu sei, eu sei, eu sei. O EscritoresBrasil seria o lugar ideal pra esse help. Mas a última thread de lá tem já os seus cinco meses. Eu literalmente iria falar com as paredes.
p.s.4: Perdão pela introdução exageradamente extensa. Eu me emociono!
p.s.5: Boa leitura! :)

***

DO AMOR E SUAS AMARRAS.
Quando se ama, em verdade, muito mais do que se sabe – tem-se a mais pia e categórica certeza. Camões, decerto, não se valeu de qualquer recurso hiperbólico que fosse quando afirmou que amor é fogo. Fogo que arde e não se vê – e depois, onde não se queima, ao menos não no sentido literal e denotativo da palavra.
E quando o fogo consome, não há margem para dúvidas. O calor infernal, a cor alaranjada vivíssima, as cinzas e a fumaça tóxica se espalhando por todos os quatro cantos. Somente um ser inteiramente tresloucado poderia proferir a irrisória frase “Eu acho que minha casa está sendo consumida por chamas!”.
Da mesma forma, quando se ama, não há espaço para achismos.

***

Quando eu tinha uma década e meia de vida, mantendo com rigor ímpar a tradição secular de minha família, passei a praticar ativamente a minha Fé católica. Meu nome, até então tão somente mencionado dentro do universo à parte do catolicismo em meio às intenções da Santa Missa – pela paz, saúde e prosperidade na Fé cristã de Samuel Skrzybski de Almeida Passos e João Vitor de Almeida Passos – ou como uma menção efêmera dos fiéis da Igreja de São Miguel Arcanjo ao falar dos laços familiares de Nadia Saldanha de Almeida Passos – mais precisamente, de seu filho primogênito –, passei a compor, com uma respeitável responsabilidade para com os assuntos celestes à despeito da pouca idade, o corpo de catequistas, de acólitos e de integrantes da Liturgia da Palavra da comunidade, além de me tornar figurinha carimbada nos eventos de caridade, de emancipação da Fé ou de Cura & Libertação promovidos pelo único templo católico do Jardim das Cerejeiras, bairro polarizado entre casarões e barracos, entre verdadeiros palacetes de ricaços que encontravam um simpático refúgio no interior quando o CO2 dos grandes centros sufocavam para além da conta e casebres dos que amargavam na penúria econômica extrema.

***

Nadia Saldanha, mulher baixinha de 40 anos de idade mal vividos, os olhos verde-clarinho, os cabelos loiros, quebradiços e maltratados e a estatura naturalmente retraída, era uma leiga dentro da comunidade Católica Apostólica Romana – no entanto, amplamente conhecida e reconhecida pelos outros fiéis da São Miguel Arcanjo, máxime pelos de longa data. Com pontualidade inexorável, Nadia com frequência chegava na Igreja trinta minutos antes do início da Santa Missa, junto do marido e dos dois filhos, para participar da maçante reza do Terço das Lágrimas de Sangue de Nossa Senhora Rosa Mística e somente deixava as instalações sagradas quinze minutos depois do último Amém do sacerdote, literalmente no apagar das lâmpadas, ajoelhada no genuflexório com os olhos muito bem fechados e com a cabeça ligeiramente encostada no banco da frente em sinal de penitência, na companhia unicamente dos siriris desnorteados pela escuridão e de uma ou outra senhorinha – e do Santíssimo, é claro – entre agradecimentos, lamúrias e pedidos em uma linha direta com o Divino.
Casada há quase vinte ciclos com Samuel Alves Passos, Nadia Saldanha certamente não se mantinha como leiga meramente por vontade própria. Há cerca de dez anos no passado, foi uma das mais dedicadas mulheres a marcar presença na Pastoral da Família da Igreja de São Miguel Arcanjo – ala da comunidade criada e integrada exclusivamente por mulheres que não mediam esforços em uma cruzada enérgica e venerável contra a mortalidade infantil, em especial, em favor das crianças pobres do Jardim das Cerejeiras. De certo, dezenas de meninos e meninas miseráveis não tiveram o seu direito mínimo de viver negado por intervenção da arrecadação constante e distribuição em massa de latas de 400g de leite em pó e da pesagem semanal dos gaiatos nas instalações da Igreja, em um consórcio com o Posto de Saúde Municipal do bairro. Na Pastoral, entre conversas, a sério, necessárias para o alinhamento do grupo de atuação e frívolas rodas de fofoca, Nadia trazia na ponta da língua, sempre afiada, tudo o que os mais reacionários e fundamentalistas membros do catolicismo queriam ouvir, em um momento onde a luta por direitos civis das minorias começavam a efervescer de fato no seio da sociedade brasileira.
– Esses boiolões, filhos do Tinhoso! Não respeitam ninguém! Querem destruir o sonho de Deus, que é a família!
O discurso, com o passar dos anos, não arrefeceu. Ao contrário: os bramidos de Nadia Saldanha se lançavam cada vez mais aos extremos conforme as pautas da bandeira arco-íris emplacavam nas casas legislativas federais, estaduais e, a priori, no debate público. E até mesmo os católicos mais conservadores da Igreja de São Miguel Arcanjo assimilaram o movimento: já não se podia pregar a morte aos degenerados em meio aos sermões clericais sem parecer extravagante demais. Enfim, a ficha caiu: a Idade das Trevas já havia ficado para trás e agora tão só era palpável nos livros de história. Em ambientes privados, como já era de praxe, as irmãs em Cristo de Nadia seguiam proferindo e proliferando as mais inadmissíveis e desumanas manifestações de ódio, imaginando um mundo utópico onde a decapitação de homossexuais fosse via de regra e as mulheres se colocassem em seu devido lugar com roupas mais decentes – estranhamente, ao que parece nenhuma delas teve o insight de mudar-se ao Irã e se converter ao Islão jihadista, para que tivesse os seus mais asquerosos desejos concretizados. Em espaços públicos, entretanto, os discursos terroristas se reduziram a uma antipatia repleta de frases ditas somente até a metade, embebidas em raiva e rancor por detrás. Nadia Saldanha foi na contramão.
– Esses viadões desgraçados! O mundo está perdido mesmo, é o fim dos tempos! Mas o que é deles está guardado por Deus, você pode ter certeza. Não há frescura que um tiro na cabeça ou uma facada nas costas não resolva na hora. Bom samaritano é aquele que adianta o trabalho do Pai e envia as obras do Chifrudo de volta para Ele, onde haverá choro e ranger de dentes!
Foi risível. Foi uma piada pronta. E foi, sobretudo, ridículo. Mas a Igreja Católica, ainda tão intransigível quanto ao seu repúdio e rechaço às bandeiras e às práticas dentro e fora das quatro paredes dos LGBTQI+, viu a urgência de afastar Nadia Saldanha das atividades de caridade eclesiásticas justamente em seu ódio descontrolado pelos integrantes daquela comunidade que tantos outros católicos também odiavam em segredo com todas as suas forças. O pecado, decerto, não era a homofobia. Durante os intermináveis instantes de chilique contra os gays, as lésbicas e “os homens que viram mulher e as mulheres que viram homem” de Nadia nas reuniões de quinta-feira da Pastoral da Família, arranjada em uma salinha 8x8 lúgubre nos fundos das dependências da Igreja de São Miguel Arcanjo, não havia uma sílaba de objeção por parte das colegas de Pastoral de Nadia Saldanha. Longe disso: em cada um de seus discursos travestida de Silas Malafaia ou de Marco Feliciano, Nadia não mais que recebia tímidas concordâncias com a cabeça de sua plateia, carregada de constrangimento por não se sentir no direito de se unir a ela e fazer coro à sua fala doentia. O pecado, com efeito, era escrachar para quem quisesse ver que corridos dois milênios depois de sua fundação sobre a Pedra de São Pedro, a Igreja Católica estava mais arcaica do que nunca e tão intolerante como sempre.
Valentina Martinez era uma mulher de 51 anos que se vestia como se fosse ao menos três décadas mais velha. As saias imensas que iam até os pés estampadas em um florido fosco, os sapatinhos fechados sem cadarço, a jaqueta de couro reles em um tom de marrom esquisito que destoava totalmente dos vários azuis da saia. O cabelo, preso dia e noite, acentuava alguns vários fios brancos no rabo de cavalo. De voz aguda e encolerizante, era praticamente consenso entre cada morador do Jardim das Cerejeiras que tivesse conhecimento da figura que Valentina, muito diferente de Nadia Saldanha – uma de suas companheiras de Fé mais íntimas –, era desmedidamente extrovertida. Era parte da rotina de Valentina Martinez cantar e dançar louvores fora de hora e fazer as mais embaraçosas brincadeiras, por pura e genuína inocência, também fora de hora, afora o irritante e incorrigível hábito de se comunicar quase sempre à distância – o primeiro estridente “OIEEE!” de Valentina podia sair, a plenos pulmões, quando esta estivesse a trinta metros ou mais de seu interlocutor. Esposa já há duas boas décadas de Samuel Rodrigues, o Samuquinha, caminhoneiro que sempre estava em algum lugar entre São Paulo e Santa Catarina, menos em casa, e mãe virtualmente solteira de um rapazinho de onze anos, que tinha o mesmo nome e apelido do pai, Valentina, como toda mulher prendada daquele bairro católico, era uma exímia dona de casa. E foram as curtas conversas corriqueiras sobre afazeres do lar, sobre qual marca de removedor de manchas era mais eficiente para tirar a gordura das camisetas, e o credo na religião católica praticado ao menos três dias por semana dentro da Comunidade São Miguel Arcanjo que cruzaram os caminhos de Valentina Martinez e Nadia Saldanha assim que a primeira chegou ao bairro do extremo norte de Cubatão – o último antes da Rodovia Cônego Rangoni que leva até Santo André, cidade vizinha e mais famosa. E foi trabalho de Valentina, determinado pelo Comitê de Ética da Pastoral da Família, recém-formado para discutir a questão de Nadia e recém-dissolvido porque simplesmente não havia mais utilidade para ele dentro da Pastoral, comunicar Nadia Saldanha de seu “merecido descanso” – termo gentil e criativo que inventaram para cambiar “expulsão sem honras” – de seus ofícios na Pastoral da Família sem aviso prévio, sem chance de reconciliação, sem “choro ou ranger de dentes”.
Era o início de mais uma tarde de segunda-feira tórrida e feia em Cubatão – daquelas sem uma única nuvem no céu, que cegam a vista de quem ouse levantar os olhos. Nadia Saldanha estava dentro da Igreja, no presbitério, lustrando com todo o cuidado e capricho do mundo o Altar Sagrado, que detinha o segundo metro cúbico mais sagrado da Comunidade São Miguel Arcanjo – ficando atrás unicamente do Sacrário, onde Cristo se fazia presente como um vigia infindável. Foi quando Valentina Martinez respirou fundo e partiu para a hora da verdade. Se aproximou lentamente do Altar, sem chamar a atenção de Nadia – e ainda que tivesse se aproximado como era do seu feitio, aos berros, Nadia certamente não teria desviado a sua concentração e foco da tarefa sacra que realizara. Posicionada alguns poucos centímetros atrás do degrauzinho do presbitério, Valentina puxou o único assunto que tinha a mais plena certeza que ia prender integralmente a atenção de Nadia Saldanha.
– Ô, Ná! Você não sabe. Hoje de manhã eu fui levar o Samuquinha na escola e na volta eu me deparei com uma visão do inferno. Primeiro eu achei que era um casal. Olhei, olhei de novo. E aí eu percebi que eram duas meninas, de mãos dadas! E duas meninas tão bonitas, Ná. Ô, judiação!
– É, esse mundo está perdido – respondeu Nadia, sempre falando mais para dentro do que para fora e com um sotaque caipira mais puxado do que a média dos munícipes de Cubatão – O que é certo está errado e o que é errado está certo.
– E até lei elas têm agora, você viu? As sapatões. Se uma puxa o cabelo da outra, taca-lhe Maria da Penha nela! Estão ficando chiques! – Valentina Martinez falava com um sotaque interiorano ainda mais puxado do que a média dos que falavam com o sotaque caipira mais puxado que os demais cubatenses.
– Brasil! – e fez um som em deboche sem abrir a boca – País ateu!
– É Ná, parece que agora a gente vai ter que dar uma colherzinha de chá para elas, né?
– Colherzinha de chá?
– Evitar falar muito. Pode dar problema, você sabe...
O Altar Sagrado já estava mais que lustrado, mas Nadia Saldanha continuava indo com a flanela para lá e para cá no mármore. Depois de dois ou três minutos de silêncio constrangedor, Nadia retorquiu, ríspida, como se tivesse usado o meio tempo para formular a resposta.
– Talvez Deus também tivesse que ter dado uma colherzinha de chá para o Chifrudo no Paraíso...
– Que pecado! Ô, Ná!
– Pecado é querer tratar aberração como se fosse gente como a gente – sempre com um ar de deboche intragável na voz.
– Ná, os tempos são outros, as coisas mudaram – replicou Valentina, com a voz nervosa e atropelando suas próprias palavras na fala – A gente vai ter que aprender a conviver, eles estão ganhando espaço. Contanto que fiquem bem longe de mim e do Samuquinha, por mim está tudo bem.
– Essas Marias-João são a oitava praga do Egito. É a Nova Ordem Mundial, os Illuminatis. Tem dedo dos Senhores do Mundo aí, você pode ter certeza. Agora na Globo sempre tem uma bichinha nas novelas para influenciar os meus filhos a abandonar a família para morar com viadão por aí. Se não cortar o mal pela raiz, eles vão dominar tudo. É isso o que você quer, Valentina? A vinda do anticristo?
– Meu Senhorzinho do Céu que me livre!
– O mundo é o mundo. Casa de Deus é Casa de Deus. Se essas frescuras começarem a entrar aqui dentro da Igreja, eu prefiro comungar com um Ministro em casa.
– Era sobre isso que eu estava conversando com as comadres da Pastoral...
– O quê?
A pergunta desprevenida fez eco em cada um dos cantos da Igreja de São Miguel Arcanjo, do Sacrário à entrada aberta. Valentina já não se via em condições de explicar mais uma sílaba que fosse. Graças à oratória desastrada de Valentina Martinez e também à sua própria personalidade paranoide, Nadia Saldanha havia assimilado em sua mente distorcida que ela estava sendo escorraçada não apenas da Pastoral da Família, mas da São Miguel Arcanjo como um todo. Outrossim, também compreendeu que estava sendo banida não por seu radicalismo exacerbado e nocivo, mas por não ser complacente com a tal Agenda Gay. Mais dois minutos de silêncio constrangedor se seguiram. Até que Nadia, em um movimento rápido e imprevisível, pegou o balde cheio de água suja até a metade que estava manejando na faxina do interior da Igreja e atirou contra Valentina, que somente conseguiu desviar da água e do balde por um reflexo tão improvável que parecia ter sido obra autêntica da Divina Providência.
O que se seguiu foi um cenário manicomial. Nadia Saldanha berrava aos sete ventos, urrava feito um bicho, mas suas palavras e frases não seguiam uma linearidade – parecia ser algo sobre “Deus”, “Chifrudo”, “desgraçados” e “merda” – de modo que se tornava humanamente impossível entender o que Nadia queria dizer, posto que também já não falava – balbuciava fonemas rugindo, como uma criança raivosa em processo de alfabetização ou como se estivesse sob influência direta da Legião dos geraseno. Ademais, qualquer objeto ao alcance de Nadia Saldanha, sagrado ou não, se tornava perigosamente jogável. Galhetas, cálices, âmbulas – felizmente vazias. O arremesso, muitas vezes, era feito à deriva, não necessariamente contra Valentina, entre gritos cada vez mais ardidos, como se pelo simples prazer de quebrar as galhetas feitas em vidro. Os brados bestiais de Nadia, as súplicas desesperadas de Valentina Martinez – “Nadinha! Nadinha!” – e os estilhaços violentos contra o chão atraíram para dentro da Igreja as outras demais integrantes da Pastoral da Família, que estavam em vigília na comunidade naquele começo de semana. Ali, naquela guerra funesta diante do olhar, seguramente, de tristeza e reprovação do Corpo de Cristo no Sacrário e do chão coberto por uma mistura de cacos de vidro, vinho e água, todas as sete mulheres com as camisetas brancas e verde-floresta da Pastoral da Família formaram um círculo em volta do presbitério e, por conseguinte, em volta de Nadia Saldanha, como se estivessem lidando com um animal selvagem indomável, rosnando e prestes a avançar. Quando o animal finalmente avançou, na confusão, entre tapas e empurrões, Benedita, reconhecida pelas mais próximas como Tia Ditinha, a mais corpulenta mulher – quase senhora – de toda a Pastoral, contrariando o seu cognome no diminutivo, conseguiu agarrar Nadia pelas costas, como se estivesse prendendo-a em uma camisa de força, tremendo da cabeça aos pés como se a temperatura ambiente tivesse alcançado números negativos pela primeira vez na história da ardente cidadezinha de Cubatão.
Depois da fatídica e inesquecível segunda-feira no presbitério da Igreja de São Miguel Arcanjo, Nadia Saldanha se afastou completamente da Pastoral da Família, de suas atividades espirituais e, quem sabe, até de si mesma. O ocorrido não se espalhou ao ponto de chegar até todos os ouvidos dos fiéis, mas sem dúvida correu pela Comunidade São Miguel Arcanjo mais do que Nadia gostaria. Nunca mais se avistou ou teve notícias da mulher ou do marido, Samuel Alves. Nunca mais se viu Nadia, em seus pouco mais do que 1,60m, prostrada nos genuflexórios da Igreja após encerrada a Santa Missa de sábado. As línguas velozes dos mais mexeriqueiros chegavam a afirmar, com certo grau de convicção, que ela havia aderido ao protestantismo depois do trágico episódio. A Igreja Evangélica começava a imergir e a ganhar força dentro do Jardim das Cerejeiras, ao construir as suas ainda pequenas assembleias no bairro e ao cooptar alguns fiéis católicos – tanto foi que o Padre Machado, homem de meia-idade e de rosto gordinho e simpático, sacerdote responsável pela São Miguel Arcanjo, já virava todo o seu arsenal de críticas ácidas e de reprovação aos crentes em seus sermões que dividiam a Santa Missa.
– Usurpadores da Fé católica! Estelionatários de quinta categoria! Blasfemadores! Vivem de calúnias e difamações contra a Virgem Maria!
Até que, em um fim de tarde de um sábado de abril, avistou-se finalmente Nadia Saldanha ao pé da entrada da Igreja de São Miguel Arcanjo, cinco minutos antes do rito de entrada da Santa Missa – a mulher nunca mais voltaria a ter o hábito de rezar o terço antes da Celebração – e cinco meses seguidos depois daquela tarde de estilhaços e prejuízos. Estava ao lado do marido extremamente alto, ao menos para ela, e com sua expressão corporal de sempre, que denunciava sem rodeios a sua timidez excessiva e seus sentimentos de inferioridade. Apareceu, além do mais, sem os filhos em seu retorno – queria se certificar primeiro que não haviam trocado a imagem de São José pela de outra mulher ao lado de Maria de Nazaré e que não haviam hasteado uma bandeira violeta, anil, verde, azul, laranja & vermelho no lugar do Círio Pascal.
Nadia Saldanha continuou, afinal, marcando presença nas Celebrações da Igreja de segunda, quarta e sábado, dia do Senhor. Sempre no mesmo lugar, no penúltimo banco de madeira em verniz da fileira direita da Comunidade São Miguel Arcanjo. À direita, os dois filhos, Samuel e João. À esquerda, o esposo, Samuel Alves.

***

Se você chegou até aqui: por favor, bebe um copa d'água cheio, sai pra respirar um pouquinho. Eu sei o quanto a leitura demorou.
Obrigado por ler. De coração! :)
Não é todo dia que se interessam pelos meus escritos hahahaha.
submitted by Samuel_Skrzybski to desabafos [link] [comments]


2020.09.28 17:02 meucat O caso da mulher que entrou na justiça pelos 1000 dólares de ajuda mostra toda a podridão da imprensa lacradora. É um dos exemplos mais abjectos do jornalismo lixo.

https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/blog/edimilson-avila/noticia/2020/09/26/dona-de-casa-vai-a-justica-por-auxilio-emergencial-de-us-1-mil-citado-por-bolsonaro-na-onu-em-vez-dos-r-24-mil-que-recebeu.ghtml
Os jornais tem dezenas de milhões de pessoas REAIS com nome sobrenome e endereço que poderiam perguntar se a ajuda que veio do governo serviu para algo, visto que o STF, governadores e prefeitos condenaram eles a morrer dentro das suas casas por inanição como coelhos. Tem dezenas de milhões de pessoas REAIS que se vc. perguntar vão se ajoelhar e dar graças ao céu por esta ajuda salvadora.
Mas o que imprensa podre fez? pegou dois advogados que ninguém conhece, mas que tem muita vontade de ser famosos, os quais proclamam aos quatro ventos que "uma mulher" que nunca ninguém viu nem sabe se existe realmente "porque prefere manter o anonimato", e estes advogados gritam ao mundo que a coitada mulher vai entrar contra o governo porque não recebeu os 1000 dólares "prometidos" pelo presidente.
Este caso isolado sim que foi manchete monstruosa durante dias nos jornais e na TV. Isto sim que é importante, uma pessoa que nem existe mostrar a crueldade do governo, enquanto as milhões de pessoas REAIS que se beneficiaram permanecem no anonimato completo.
No discurso, todos escutaram alto e em bom som que falou "um valor aproximado", não podia falar em reais porque era discurso para o mundo, então usou uma moeda fácil de entender que é o dólar. Pode ter tido gente que recebeu mais e outros que receberam menos, então fica "aproximado" ou "na media".
Qualquer pessoa fora do Brasil, ao ler este texto do G1 vai pensar que Bolsonaro é um monstro tipo Maduro, que está tirando a comida da boca do povo com mentiras, que os 1000 dólares é um direito adquirido por obra e graça de Deus, e que nunca existiu um STF nem governadores e prefeitos malandros (na realidade filhos de uma grande égua) que se aproveitaram para sobrefaturar, quebrar empresas e meter medo na população, e que foi esta ajuda do governo federal que permitiu muita gente sobreviver.
submitted by meucat to brasilivre [link] [comments]


2020.09.23 18:46 kamizzao Casos de família (e desculpa o textão)

Minha mãe estava tentando largar do meu padrasto desde março, mas conseguiu sair de casa faz um pouco mais de um mês, foram 14 anos de casamento e infelizmente não foram os anos mais felizes da vida dela, claro que o meu padrasto não aceitou a separação e está dando a maior dor de cabeça, mas junto com isso descobri que minha mãe está com um contatinho, mesmo sem conhecer eu desconfiei da integridade dele desde o princípio. O Ricardo (nome fictício) mesmo sabendo que minha mãe estava no meio de uma separação veio embora de outro estado de uma hora para outra e detalhe minha mãe não tinha pedido que viesse, mas ele quis mesmo assim. Desde então ele estava pressionando minha mãe para ir ver ele e antes desse final de semana ficou um pouco mais desesperado e para piorar a situação ficou provocando meu ex padrasto nas redes sociais e isso deu um rolo danado, minha mãe levou umas porradas e lá fomos nós na delegacia denunciar (perdi todo meu dia de folga, fora que dormi mal com medo de toda essa situação)
Não bastava esse rolo que deu, antes de ontem o Ricardo ameaçou minha prima dizendo que se minha mãe não fosse ver ele, ele ia vir na nossa casa (que não sabe onde é mas poderia descobrir) e deu a entender que machucaria meus avós e que ele não era palhaço igual o meu ex padrasto. Até que segunda à noite minha mãe estava lá fora fumando e do nada sumiu, depois de 40 min minha prima me mandou uma mensagem dizendo que estava trocando mensagens com o Ricardo e que minha mãe estava lá na casa dele (eu só não soube antes pois meu ex padrasto fez o cel dela virar pó) os bonitos fizeram uma chamada de vídeo e os dois estavam abraçados e com cara de feliz, se eu não conhecesse minha mãe diria que ela estava lá por pressão, mas pela cara de satisfação dela vi que estava tudo bem. Eles pararam de dar notícias e foi aí que eu e minha prima ficamos preocupadas, como sabia o endereço chamei a polícia e só chamei por conta das ameaças, mas imaginei que estava tudo bem, a polícia foi lá e fez os procedimentos e ele pediu um Uber para minha mãe, como ela não é tão burra ela passou um endereço um pouco longe de casa e tive que sair de casa já era 00:00 com meu irmão buscar para buscar ela.
Conclusão: graças a Deus ninguém sabe, só eu ela e minha prima, fomos denunciar e pedir medida protetiva, não estou falando com a minha mãe desde então, pois achei uma palhaçada ela ir lá correr risco com alguém que ela não conhecia, percebi que ela está meio triste pq não vai mais ver mais o crush psicopata dela. O ódio que eu tô dessa mulher não está escrito nas estrelas, já pedi para Deus tirar isso do meu coração mas está complicado, vou dar tempo ao tempo.
Bônus: Eu investigadora da FBI que sou descobri o cpf dele e pedi a ficha criminal dele para um conhecido que é delegado, e como não era supresa infelizmente minha intuição estava certa, o Ricardo além de psicopata estava envolvido em umas paradas erradas.
submitted by kamizzao to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 15:29 pardobsb A força dos padrões de beleza

Toda vez que vejo uma notícia de uma jovem mulher (normalmente já considerada com uma beleza padrão) que se submeteu a um processo estético e teve complicações na saúde ou pior, eu fico pensando: como que os padrões de beleza são tão fortes nas nossas vidas?!? Mulheres que economizam fortunas para colocar silicone; Homens que "estragam" o próprio pau se submetendo a processos duvidosos de aumento do pênis; Pessoas na internet dizendo que mulher tem que ser magra, homens precisam ter mais de 1,70 senão é só amigo; Etc etc e etc.
CARACAS!!! Quando que todo isso vai parar de nós dominar?!? Eu já deixei de transar por vergonha do meu pau, tenho um amigo que gosta de minas gordinhas mas não namora pq a família dele tem horror a pessoas gordas, uma amiga que já era magra e fez um procedimento lá pra ficar com a cintura fina (graças a Deus deu tudo certo)... Enfim, que sociedade doente nós somos
submitted by pardobsb to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 06:06 britojp QUANDO EU ACHO QUE ELE VAI PARAR, ELE CONTINUA

É isso, meu pai tá cada vez mais insuportável, ninguém aguenta, chega uma da manhã do bar mandando eu dormir, sendo que dormindo 2 da manhã, eu acordo cedo, e ele ainda acorda falando que eu não faço nada e já mandando eu encher as garrafas d'água, ainda xinga a gente todo dia, dps que eu olhei no app da carteira de trânsito e falei pra minha mãe que tinham duas multas na mesma avenida, ela falou pra ele e ele ficou bravo e falou que é porque ela sai pra bater perna e pra ficar namorando, sendo que é pra usar o banco 24 horas da padaria, e aquela avenida também tem lugar pra comer e outras agências, ela vai lá todo dia, sendo que quem traiu ela com mulher do bar foi ele, Jean, amigo da minha mãe da academia, chamou ela no portão pra eles irem. A noite ele já reclamou, sendo que o coitado é gay e ainda tá na faculdade, minha mãe tem 48 anos. Hoje mesmo, vou falar em frases pra resumir rápido, tava com o telefone da minha mãe e fui olhar a fatura do cartão no celular pq ela pediu, e tava lá a fatura vencida há 10 dias, e como ela não me escutou e investiu de forma errada o dinheiro que ela tinha, pediu dinheiro emprestado pra pagar a fatura amanhã, sendo que era só ele sacar e dar pra ela ou ir fazer uma transferência, SÓ. Aí dps ele começou a gritar feito um animal, empurrou minha mãe, e bateu a porta da marcenaria, o Loro, meu irmão, até voou do ombro da minha mãe (é um papagaio), isso gritando que ia fuder ele, que ia sujar o nome dele, sendo que sacar dinheiro ou transferir não suja nome, qualquer pessoa com senso sabe disso. Dps minha mãe fez eu ir com ele transferir pra conta dela, o banco do posto perto de casa não tá funcionando, o do outro posto tá dando "limite de saque excedido", dps a gente foi no shopping tentar lá, e pouca gente sabe mas a tela dos bancos 24 horas já é protegida contra isso, eu fiquei do lado dele, meio atrás, e a tela tava toda embaçada, e mesmo assim ele: "DÁ LICENÇA", aquela hora me deu vontade de ir no restaurante do shopping, pegar uma faca, e matar ele na frente de todo mundo, e semana passada eu fui com a minha vizinha no banco do posto pra sacar o auxílio dela, e um cara que tava atrás da gente, perguntou se eu ajudava ele a sacar pq ele não sabia, parecia ter menos de 25 anos, e eu ajudei normalmente, ele não ligou de eu estar na frente dele o ajudando, e ainda ele mesmo, me deu a senha pra colocar no caixa, um cara que nunca me viu na vida confiou mais em mim do que o desgraçado que diz ser meu pai, e ele já fez isso no mercado, deu uma olhada pra trás normalmente e minha cabeça voltou, dps no carro indo embora ele falou que eu tava olhando a senha do cartão dele, isso faz 2 anos, eu nem sabia passar cartão, só ajudava minha mãe a entrar no app do banco, nem isso eu sabia fazer direito ainda, e tudo é assim, briga sempre por causa de dinheiro ou quando minha mãe sai. Eles separaram faz de 6 a 8 meses, e aquele corno fala que vai sair de casa e não sai, ninguém mais aguenta ele, não vou mentir não, minha mãe não é 100% perfeita mas eu amo ela.
Se alguém quiser saber (oq eu duvido), eu sou homem, 13, minha mãe tem 48, e meu pai 55 anos. (Escrevi "pau" sem querer e o corretor corrigiu pra "pai", Graças a Deus). E desculpa pela história longa.
submitted by britojp to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 04:22 similaraleatorio Uma discussão sobre os personagens da música Construção, de Chico Buarque

Uma discussão sobre os personagens da música Construção, de Chico Buarque

Capa do disco Construção, de 1971
Música (se não conhece, ouça primeiro e só depois leia a postagem): https://www.youtube.com/watch?v=wBfVsucRe1w
Amou daquela vez como se fosse a última Beijou sua mulher como se fosse a última E cada filho seu como se fosse o único E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquina Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico Seus olhos embotados de cimento e lágrima Sentou pra descansar como se fosse sábado Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago Dançou e gargalhou como se ouvisse música E tropeçou no céu como se fosse um bêbado E flutuou no ar como se fosse um pássaro E se acabou no chão feito um pacote flácido Agonizou no meio do passeio público Morreu na contramão atrapalhando o tráfego
No meu entendimento essa parte narra um personagem que amava tudo que tinha na vida, a mulher (já teve outras mas essa, certamente como as anteriores, era amada como se fosse a última), os filhos (os amava tanto que para ele cada um era como se fosse o único filho), o trabalho (subiu apressado como se fosse máquina, ergueu paredes num serviço profissional, eram sólidas e tão boas que pareciam magicamente feitas), era um homem sofrido e quieto (...passo tímido) que dava valor a tudo e às pequenas coisas que tinha na vida (como o arroz e feijão que ele comia como se fosse príncipe), mas que por um descuido, uma fatalidade, sofreu um acidente e enquanto estava caindo estava apavorado, batendo asas como se fosse um pássaro em voo (essa imagem é muito reveladora e forte pra mim, ele não queria morrer e se debateu em desespero no ar) e então veio a óbito.
Amou daquela vez como se fosse o último Beijou sua mulher como se fosse a única E cada filho seu como se fosse o pródigo E atravessou a rua com seu passo bêbado Subiu a construção como se fosse sólido Ergueu no patamar quatro paredes mágicas Tijolo com tijolo num desenho lógico Seus olhos embotados de cimento e tráfego Sentou pra descansar como se fosse um príncipe Comeu feijão com arroz como se fosse o máximo Bebeu e soluçou como se fosse máquina Dançou e gargalhou como se fosse o próximo E tropeçou no céu como se ouvisse música E flutuou no ar como se fosse sábado E se acabou no chão feito um pacote tímido Agonizou no meio do passeio náufrago Morreu na contramão atrapalhando o público
Aqui o personagem já vivia a vida mais desencanado, embora ainda gostasse do prazer dos lençóis com a esposa ele não era fiel (...sua mulher como se fosse a única), percebia cada filho como se fosse o pródigo (dispendiosos, via cada filho como despesa, não gostava tanto assim deles), era um sujeito desleixado (...passo bêbado) que chegou pra trabalhar bêbado mas subiu a construção como se fosse sólido (quem já tomou pileque e teve que parecer sóbrio sabe bem o que é isso), ao contrário do primeiro personagem que fazia um trabalho com capricho (paredes sólidas num desenho mágico) esse aqui fazia um trabalho que dava pro gasto, nada de mais (paredes mágicas num desenho lógico, mágicas pq pra erguer uma parede boa estando bêbado é preciso fazer mágica e o que dá pra fazer é um desenho básico e lógico de empilhar tijolos). Sentou pra descansar como se fosse um príncipe (pra tentar amenizar os efeitos da ressaca), mas comeu apressado como se fosse máquina (pq o tempo é curto para poder voltar ao trabalho) e a exemplo do primeiro personagem por uma fatalidade, um descuido, acabou caindo da construção (dessa vez meio que aceitando o que estava acontecendo, foi caindo como se fosse sábado -um dia monótono e sem graça) e veio a óbito.
Amou daquela vez como se fosse máquina Beijou sua mulher como se fosse lógico Ergueu no patamar quatro paredes flácidas Sentou pra descansar como se fosse um pássaro E flutuou no ar como se fosse um príncipe E se acabou no chão feito um pacote bêbado Morreu na contramão atrapalhando o sábado
Aqui claramente me vem à mente a ideia do suicídio. Amou como se fosse máquina, sem tesão algum e beijou a mulher pq era a mulher dele, era o lógico a se fazer. Sem prazer nem gana em nada fez um trabalho porco (paredes flácidas) pq já sabia que era a última vez tanto que sentou rapidamente como se fosse um pássaro e aqui pra mim a revelação do suicídio: E flutuou no ar como se fosse um príncipe. A queda foi libertadora.
Eu fico embasbacado como essa música é bem escrita, bem arranjada, é uma música completa. Talvez a maior música brasileira que eu já ouvi em toda minha vida. E pra você, o que você entende dessa música?
submitted by similaraleatorio to brasil [link] [comments]


2020.09.21 04:57 altovaliriano Stannis Baratheon (Parte 9)

Vamos fechar A Tormenta de Espadas.
Assim como ocorreu com a tomada de Ponta Tempestade, Stannis tem muitas recompensas narcísicas ao ajudar a Patrulha da Noite. Ele se instala na Torre do Rei (que não é nenhum trono de ferro, mas já significa algo), consegue uma vitória esmagadora, captura centenas de prisioneiros, enxerga oportunidades nos castelos e terras abandonados da Patrulha e encontra Jon Snow.
Sim, Jon Snow é tratado pelo Rei de Pedra do Dragão como um sinal de R’hllor, pois seus planos inicias limitavam-se em chegar até a Muralha:
Pode ser que me engane com você, Jon Snow. Ambos sabemos o que se diz dos bastardos. Poderá faltar a você a honra de seu pai, ou a perícia de seu irmão com as armas. Mas é a arma que o Senhor me deu. Encontrei-o aqui, tal como você encontrou o esconderijo de vidro de dragão aos pés do Punho, e pretendo usá-lo. Nem Azor Ahai venceu sozinho a sua guerra.
(ASOS, Jon XI)
Stannis também está novamente em seu ambiente, se preparando para uma guerra. Em vez de estar sentado, isolado, derrotado e tendo que decidir se sacrifica uma criança para realizar uma antiga profecia, Stannis está ouvindo relatos de primeira mão de pessoas que viram o inimigo em carne (gelo) e osso. Até pelo Portão Negro o rei se interessa.
Diferentemente de estar apático e entregando o controle dos homens a outras pessoas (como estava fazendo em Pedra do Dragão), Stannis volta a seu papel de comandante com punho de ferro. Os homens da Patrulha notam facilmente a diferença entre os homens do Rei e os homens da Rainha:
Aqueles eram homens do rei, porém; Sam rapidamente tinha aprendido a diferença. Os homens do rei eram tão terrenos e ímpios como quaisquer outros soldados, mas os da rainha eram fervorosos na sua devoção a Melisandre de Asshai e ao seu Senhor da Luz.
(ASOS, Samwell IV)
O sabor da vitória na Muralha também reaviva o senso de justiça de Stannis.
O Rei Stannis mantém bem os seus homens na mão, isso é evidente. Deixa-os saquear um pouco, mas só ouvi falar de três selvagens estupradas, e os homens que o fizeram foram todos castrados.
(ASOS, Samwell IV)
Vestido como um homem comum da Patrulha da Noite, pode-se dizer que o rei está de volta a sua confortável simplicidade. Entretanto, ainda usa um broche com seu coração flamejante.
Estava vestido com os mesmos calções, túnica e botas negras que um homem da Patrulha da Noite usaria. Só o seu manto o distinguia: um pesado manto dourado forrado de peles negras, e preso comum broche coma forma de um coração flamejante.
(ASOS, Jon XI)
Eu não saberia afirmar com certeza, mas ao falar apenas do pequeno broche sem mencionar a coroa, GRRM nos dá a impressão de que Stannis estaria menos disposto a ostentar símbolos religiosos que causassem estranheza. De fato, Stannis chega a Castelo Negro portando dois estandartes, um da Casa Baratheon e outro com o coração flamejante.
Flutuando sobre eles vislumbravam-se os maiores estandartes vistos até então, estandartes reais grandes como lençóis; um amarelo com longas pontas, que exibia um coração flamejante, e outro que era como uma folha de ouro martelado, com um veado negro empinando-se e ondulando ao vento.
Robert, pensou Jon durante um momento louco [...]
(ASOS, Jon X)
Eu não duvidaria que a idéia de usar ambos os estandartes tenha vindo de Davos, pois ele já observara que o veado coroado poderia funcionar para elevar o moral dos aliados da Casa Baratheon e intimidar inimigos:
No topo das ameias da Fortaleza Vermelha flutuavam os estandartes do rei rapaz: o veado coroado de Baratheon no seu fundo dourado, o leão de Lannister sobre carmim. […] O coração flamejante estava por toda parte, embora o minúsculo veado negro aprisionado nas chamas fosse pequeno demais para se ver. Devíamos ter hasteado o veado coroado, pensou. O veado era o símbolo do Rei Robert, a cidade rejubilaria ao vê-lo. Esse estandarte de um estranho só serve para colocar os homens contra nós.
(ACOK, Davos III)
Entretanto, convém observar que, aparentemente, o estandarte Baratheon clássico é maior do que o Coração Flamenjante:
O grande, o dourado com o veado preto, é o estandarte real da Casa Baratheon – disse Sam para Goiva, que nunca antes tinha visto bandeiras. – A raposa comas flores são da Casa Florent. A tartaruga é de Estermont, o peixe-espada é de Bar Emmon e as trombetas cruzadas pertencem aos Wensington.
São todos brilhantes como flores. – Goiva apontou. – Gosto daqueles amarelos, como fogo. Olhe, e alguns dos guerreiros têm a mesma coisa nas blusas.
Um coração flamejante. Não sei de quem é esse símbolo.
Descobriu bastante depressa.
(ASOS, Samwell IV)
O que isso quer dizer? Provavelmente nada, afinal Stannis ainda está firme me sua aliança com Melisandre.
Homens da rainha – disse-lhe Pyp […] -– mas é melhor que não ande por aí perguntando onde está a rainha. Stannis deixou-a em Atalaialeste, coma filha e a frota. Não trouxe mulher nenhuma além da vermelha.
(ASOS, Samwell IV)

É como dizem. Esta é que é a sua verdadeira rainha, e não aquela que deixou em Atalaialeste.
(ASOS, Jon XI)
O rei ainda fala em entregar prisioneiros às chamas como método de execução:
– Enquanto seus irmãos tentam decidir quem deve liderá-los, eu tenho falado com este Mance Rayder. – Rangeu os dentes. – Um homem teimoso, esse, e orgulhoso. Não vai me deixar outra escolha a não ser entregá-lo às chamas.
(Jon XI)
Inclusive, quando Jon Snow aponta que seus votos o impedem de aceitar a oferta de Stannis, Melisandre apresenta argumentos inteiramente baseados em sua fé e ainda fala em queimar represeiros, em um gesto explícito de intolerância religiosa, sem que Stannis lhe faça qualquer reprimenda.
R’hllor é o único deus verdadeiro. Um juramento prestado a uma árvore não tem mais poder do que um juramento prestado aos seus sapatos. Abra o coração e deixe que a luz do Senhor entre nele. Queime esses represeiros e aceite Winterfell como presente do Senhor da Luz.
(ASOS, Jon XI)
Então por que Stannis fica desconfortável quando Melisandre declama diante dos homens da Patrulha que ele é Azor Ahai renascido?
[...] todos pareceram surpreendidos ao ouvir Meistre Aemon murmurar:
A guerra de que fala é a guerra pela alvorada, senhora. Mas onde está o príncipe que foi profetizado?
Ele está na sua frente – declarou Melisandre –, embora não tenha olhos para ver. Stannis Baratheon é Azor Ahai regressado, o guerreiro do fogo. Nele, as profecias cumprem-se. O cometa vermelho ardeu no céu para anunciar a sua vinda, e ele traz a Luminífera, a espada vermelha dos heróis.
Sam viu que as palavras dela pareceram deixar o rei desesperadamente desconfortável. Stannis rangeu os dentes e disse:
Chamaram, e eu vim, senhores. Agora têm de sobreviver comigo, ou morrer comigo. É melhor que se habituem a isso.
(ASOS, Samwell V)
A resposta mais óbvia é a de que ser a reencarnação de um herói mítico o lembra dos problemas que ele enfrentou aproximadamente 1 mês antes em Pedra do Dragão, envolvendo o sacrifício de Edric Storm.
Como dito acima, Stannis parece estar confortável em seu antigo papel de comandante militar e rei. Nós vimos a mesma coisa acontecer após a morte de Renly. O que trouxe Stannis à Muralha foi mais o senso do dever do que as previsões de Melisandre.
Sim, devia ter vindo mais cedo. Se não fosse o meu Mão, poderia nem sequer ter vindo. Lorde Seaworth é um homem de nascimento humilde, mas recordou-me de meu dever, quando tudo aquilo em que eu conseguia pensar era nos meus direitos.
(ASOS, Jon XI)
Aparentemente, Davos foi muito competente em conciliar os deveres de Stannis como herói com suas obrigações como rei sem envolver de maneira alguma a profecia de Azor Ahai:
Tinha posto a carroça antes dos bois, disse Davos. Estava tentando conquistar o trono para salvar o reino, quando devia estar tentando salvar o reino para conquistar o trono. – Stannis apontou para o norte. – É ali que encontrarei o inimigo que nasci para enfrentar.
(ASOS, Jon XI)
Esta versão agnóstica de seu propósito de vida parece ter agradado bastante Stannis e se projeta para o futuro da história, como veremos em A Dança dos Dragões. Por isso os discursos de Melisandre sobre profecias orientais parecem um pouco fora do contexto quando ele fala aos irmãos negros.
É interessante notar também que pode ser simplesmente que Stannis continue cético quanto a ser Azor Ahai. Principalmente depois que Melisandre deixou ser enganada por Davos, bem de baixo de seu nariz. Aliás, se o cavaleiro das cebolas refletisse sobre o que a própria Melisandre lhe disse sobre o dom para ver as chamas, poderia até alegar para Stannis que a visão que ele viu no fogo deveria ser uma farsa. A sacerdotisa diz que a leitura das chamas requerem anos de prática e zomba de sor Axell por ter-se dito capaz (talvez porque tenha sido ela quem forjou imagens nas chamas enquanto mostrava a ele):
– O fogo é uma coisa viva – a mulher vermelha tinha dito, quando lhe pediu que o ensinasse a ver o futuro nas chamas. – Está sempre em movimento, sempre em mudança... como um livro cujas letras dança me se movimentam mesmo enquanto se está tentando lê-las. São precisos anos de treino para ver as silhuetas por trás das chamas, e mais anos ainda para aprender a distinguir as silhuetas daquilo que irá acontecer das que mostram o que poderá acontecer ou o que já aconteceu. Mesmo então, é difícil, difícil. Vocês, os homens das terras do poente, não compreendem. – Davos perguntou-lhe então como Sor Axell tinha aprendido tão depressa o truque, mas ao ouvir isso ela limitou-se a dar um sorriso enigmático e dizer: – Qualquer gato pode fitar uma fogueira e ver ratos vermelhos brincando.
(ASOS, Davos VI)
Porém, eu não acredito que seja o caso. Davos não deve ter feito esta conexão. Caso contrário, o comportamento de Stannis seria outro. O Baratheon do meio tem uma tolerância pequena a ser feito de bobo.
Os homens da Patrulha aprendem isso rapidamente com a eleição do novo Lorde Comandante. A demora na escolha deixa o rei furioso a ponto de Stannis fazer diversas ameaças e gestos tolos de vingança, como quando ele deixa os homens da Patrulha ajoelhados por muito tempo sem dar licença para que eles levantem da saudação.
O rei estava zangado. Sam viu-o de imediato. Enquanto os irmãos negros entravam, um a um, e ajoelhavam na sua frente, Stannis afastou o café da manhã de pão duro, charque e ovos cozidos, e olhou-os friamente. A seu lado, a mulher vermelha, Melisandre, parecia achar a cena divertida.
O Rei Stannis manteve os irmãos negros de joelhos durante um tempo extraordinariamente longo.
(ASOS, Samwell V)
O rei também já havia confidenciado a Jon Snow que iria sovar o novo Lorde Comandante a fim de instalar os selvagens na Dádiva:
Vou instalá-los na Dádiva, depois de arrancá-la de seu novo Senhor Comandante.
(Jon XI)
E completa:
Não sou um homem paciente, como os seus irmãos negros estão prestes a descobrir.
(Jon XI)
Mais tarde, Samwell usa estes posicionamento de Stanis para criar um boato de que o rei pretende ele mesmo nomear o próximo Lorde Comandante. Mas não só ele. Os rumores também estão sendo utilizados pelos apoiadores de Janos Slynt.
Se permitirmos que Stannis escolha nosso Senhor Comandante, transformamo-nos em seus vassalos em tudo menos no nome. Não é provável que Tywin Lannister se esqueça disso, e você sabe que será Lorde Tywin quem vai ganhar no fim. Já derrotou Stannis uma vez, na Água Negra.
(ASOS, Jon XII)
Porém, Stannis realmente planejava interferir na eleição da Patrulha?
O rei de Pedra do Dragão fez algumas ameaças contundentes aos irmãos negros que parecem indicar que ele está realmente disposto a interferir nas escolhas da Patrulha.
[...] Seus irmãos escolherão um Senhor Comandante esta noite, caso contrário eu farei desejarem que tivessem escolhido.
(ASOS, Samwell V)
Até mesmo depois de que o processo estava acabado, Stannis continuava ameaçando remover Jon do cargo caso fosse contrariado.
[…] Disseram-me que você é o nonocentésimo nonagésimo oitavo homem a comandar a Patrulha da Noite, Lorde Snow. O que você acha que o nonocentésimo nonagésimo nono diria sobre esses castelos? A imagem de sua cabeça em uma lança poderia inspirá-lo a ser mais prestativo. – O rei pousou sua brilhante espada sobre o mapa, ao longo da Muralha, o aço brilhava como a luz do sol na água. – Você só é Senhor Comandante com meu consentimento. É bom que se lembre disso.
(ADWD, Jon I)
O clima de interferência é tão intenso que isso torna verossímil os boatos que tanto Samwell quanto Alliser Thorne inventaram. Porém, também é forte entre os irmãos a noção de que a interferência é ilegal, como afirma Denys Mallister.
Concordo que seria um dia negro na nossa história se um rei nomeasse o nosso Senhor Comandante.
(ASOS, Samwell V)
Então como explicar que uma pessoa reta como Stannis estaria tentando fazer manobras ilegais para obter um homem que lhe fosse favorável no comando da Patrulha? A resposta é bastante óbvia: ele não está.
Stannis sabe que, se quisesse, poderia facilmente dobrar a Patrulha.
Eu tenho três vezes mais homens do que vocês. Posso ocupar as terras, se quiser, mas preferiria fazer isso legalmente, como seu consentimento.
(ASOS, Samwell V)
Todo este som e fúria de ameaças e protestos são o modo que Baratheon encontrou de fazer com que a burocracia dos irmãos negros não atrapalhe a campanha que ele mal iniciou.
A Senhora Melisandre disse-me que ainda não escolheram um Senhor Comandante. Estou descontente. Quando tempo mais esta loucura vai durar? […] Tenho cativos cujo destino deve ser decidido, um reino que precisa ser posto em ordem, uma guerra a travar. Escolhas têm de ser feitas, decisões que envolverão a Muralha e a Patrulha da Noite. Por direito, o seu Senhor Comandante deveria ter algo a dizer nessas decisões. [...] Se por acaso Lorde Janos aqui for o melhor que a Patrulha da Noite tema oferecer, rangerei os dentes e engolirei esse fato. Não me importa nada quem de seus homens será escolhido, desde que façam uma escolha.
(ASOS, Samwell V)
O rei fala isso mais de uma vez.
Poupe-me de sua bajulação, Janos, que não lhe servirá de nada. […] – Não é meu desejo imiscuir-me em seus direitos e tradições.
(ASOS, Samwell V)
Quanto a Stannis ter mostrado inclinação a retirar seu consentimento com a escolha de Jon, literalmente ameaçando matá-lo, deve ser observado que Stannis poderia ter cumprido suas ameaças naquela oportunidade, mas não o fez. Baratheon provavelmente estava querendo descontar a rasteira sofrida Jon ter sido eleito antes mesmo de aceitar ou negar a oferta de se tornar Senhor de Winterfell. Por isso, todas as ameaças que fez foram vazias, assim como são quase todas, segundo Melisandre:
A mulher vermelha desceu a escada ao lado deJon. – Sua Graça está gostando cada vez mais de você.
Percebi. Ele só ameaçou cortar minha cabeça duas vezes.
Melisandre riu.
São seus silêncios que você deve temer, não suas palavras.
(ADWD, Jon I)
Antes de encerrar as análises de A Tormenta de Espadas, eu gostaria de lhes deixar com um pequena questão que eu não soube responder:
Por que Stannis lembra Catelyn a Jon?
Mas não foi o rosto de Lorde Eddard que viu flutuando na sua frente; foi o da Senhora Catelyn. Com os seus profundos olhos azuis e a boca dura e fria, parecia-se um pouco com Stannis. Ferro, pensou, mas quebradiço. Ela o olhava daquela maneira como costumava olhá-lo em Winterfell, sempre que ele se sobrepunha a Robb nas espadas, nas somas, ou em qualquer outra coisa. Quem é você?, sempre lhe parecia que aquele olhar dizia. Este não é o seu lugar. Por que está aqui?
(ASOS, Jon XII)
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.09.21 00:25 schkisu como eu me livro da minha homofobia internalizada?

eu me descobri lésbica recentemente. antes eu acreditava ser bissexual, mas eu finalmente percebi que a minha "atração" por homens não passava de heterosexualidade compulsória. inicialmente eu me senti feliz por ter me descoberto e ter encontrado um espaço para mim, mas agora eu apenas sei sentir culpa. eu tenho a sensação de que eu sou uma pessoa ruim, uma mulher doente pelo simples fato de que eu não consigo sentir atração por homens. a raiz da homofobia internalizada é a religiosidade e preconceito dos meus pais. eu cresci com o meu pai e minha mãe falando que ser gay ou lésbica era uma vergonha, que era algo nojento e um desvio de caráter. eu não fui homofóbica na infância graças aos vídeos do Felipe Neto, por incrível que pareça. e eu sei que não há nada de errado em ser trans, bissexual, lésbica ou gay mas é muito complicado aceitar isso quando eu tô cercada por pessoas que acreditam que pessoas como eu são aberrações. uma coisa que afeta muito a minha homofobia internalizada é o cristianismo. eu meio que não consigo sair do cristianismo porque as crenças cristãs estão muito impregnadas em mim e também porque eu sou considerada um milagre divino, minha família acredita que, apesar de eu ter nascido prematura, eu não morri por causa de Cristo, então sei lá eu me sinto mal por me afastar da divindade que me deu a vida :(. eu tô triste, alguém tem algum conselho para me dar?
submitted by schkisu to arco_iris [link] [comments]


2020.09.15 17:29 DorivalMelo Destino talvez? Eu não quero...

Olá pessoal, estou aqui de volta, criei esse perfil na intenção de escrever a história da minha vida que é um filme doido, mas justo quando havia escrevi do minha primeira história, essas coisas haviam parado de acontecer, e quando pensei que iria escrever sobre meu passado, hoje acontece mais uma cena "inesperada" por assim dizer se eu não fosse tão "eu"; Pra entrar em contexto, apenas precisa aber que eu sou um cara diferente do "normal", pelo memos assim me descrevem, tenho uma mente aberta, e sim, as vezes dou umas certas mancadas que fazem eu parecer não hetero saca?, mas fora isso, sou um cara simples e divertido, porém, mesmo sendo um bom cupido, tenho verngonha de usar meus próprios conselhos pra conseguir alguém ou ate chegar em alguém, porem, sem dificuldades nenhuma, bi, trans, gays e até velhinhos e velhinhas não tem nenhuma vergonha de chegar em min e falar que quer meu corpo nu na cara de madeira, tanto que de todas as minhas amizades, tanto homem quanto mulher, elaa sempre me falam que eu deveria aceitar esse destino, mas eu sempre ria e negava, porque na minha cabeça, isso é apenas um azar mesmo, porém, já fazia um tempo de 2 semanas kkkk, duas semanas (nossa, grande coisa), que não acontecia nada assjm comigo, mas hoje aconteceu, e é até engraçado lembrar pois eu estava tranquilo no porto onde faço meus bicos e passa tempos, quando do nada descendo a escada do navio, uma moça alta e até bonita chega em min e fala bem baixinho "me passar o zap" ou "me chama no zao" sei lá, e colocou um papel em minha mão, sendo esse o número dela... mas como nao havia escutado direito, pedi pra ela repetir e qua do ela repetiu, eu juro, olha que eu tenho uma voz um pouco mais aguda sim, mas eu consigo fazer um ton bem grave, mas na hora que aquela mulher repetiu a frase "me chama no zap", saiu com uma voz muito mais grossa do que a minha quando eu tento... e nisso me espantei, dei um sorriso sem graça e fiquei constrangido, mas nisso ela ou ele mordej os beços saiu rumo a sua rede me encarando, depois disso eu apenas fiquei sem reação e pensei, "porra, ate no meio do trabalho isso me acontece..." dali pra frente sempre que eu passava perto da rede dela, e olhava pra ver se todos estavam ok em seus devidos lugares, e ela entrava no meu campo de visão, ela fazia aquele gesto de telefone e mexia a boca ditando "Me chama".... cara se isso é meu destino, eu não quero, tá bom que ate hj so peguei uma namorada na vida toda, e nunca fiquei... mas não quero mudar de lado e brigar de espadas não... Valeu gente... mais uma vergonha fresquinha escrita com sucesso aqui...
submitted by DorivalMelo to u/DorivalMelo [link] [comments]


2020.09.14 23:46 gustavo_barcelos17 Sou MT calado e quieto na maioria só tempo

Eu sou um cara calado não diria tímido em específico apenas calado e com pouca comunicação,não sou sozinho tbm tenho algumas pessoas na minha vida pessoas MT boas,graças a deus,mas as vezes sinto que sou MT inexpressivo entendem ? Não que eu seja insensível,longe disso eu sou um cara bastante sentimental mas tenho mt dificuldade em expressar meus sentimentos e pensamentos, geralmente quando eu falo sobre essas coisas elas saem de forma errada hahaha,mas é isso,sinto que isso me atrapalha um pouco principalmente em relacionamentos com mulheres,algumas dicas para esse pobre gafanhoto ?
submitted by gustavo_barcelos17 to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 20:25 Des777soc O stalinismo nunca apoiou nenhuma revolução; as boicotou (I)

Vi, em um debate recente, uma viúva de Stálin afirmar que as revoluções e implantações de estados operários em várias partes do mundo foi fruto da política do “socialismo em um só país” aplicada pela União Soviética a partir de meados da década de 1920. O debatedor encheu os pulmões para louvar o stalinismo, atribuindo à burocracia soviética os processos de libertação nacional e independência dos países coloniais e de governo operário no leste europeu, China, Coreia, Vietnã, Cuba…
Essa, no entanto, não é uma análise científica. O que realmente aconteceu foi muito diferente do propagado pelos stalinistas.
A teoria do “socialismo em um só país” foi desenvolvida em um momento no qual a burocracia stalinista havia tomado conta do Partido Bolchevique após a morte de Lênin com o único objetivo de se encastelar no Crêmlin e proteger-se de quaisquer turbulências. Foi uma desculpa para trair a tradição internacionalista fundada por Marx e Engels de promover a revolução mundial, afirmando que a URSS, após a guerra civil e as derrotas das revoluções pós-Revolução Russa, não tinha condições de levar adiante a organização do proletariado internacional para a tomada do poder.
O verdadeiro motivo era que, caso ocorressem revoluções em outras partes, essas transformações dariam um ímpeto à própria classe operária soviética, que já havia passado pela experiência revolucionária menos de dez anos antes, e esta se movimentaria novamente para reaver a política de 1917, desvirtuada e traída pela burocracia. Para recuperar a organização independente nos sindicatos – domesticados pela mão de ferro do estado operário degenerado -, os direitos conquistados após a revolução e que depois foram sendo retirados por Stálin – como o direito das mulheres ao aborto – e, finalmente, para retomar para si o poder do Estado, derrubando a casta burocrática que parasitava o aparelho partidário e estatal.
A burocracia – como qualquer burocracia reacionária – tremia só de pensar em perder os seus privilégios adquiridos à custa da classe trabalhadora.
Foi assim que, já em 1926, diante de uma greve geral de características revolucionárias na Inglaterra, a política externa stalinista tratou de conter o movimento operário inglês ao ficar à reboque dos sindicalistas social-democratas no Comitê Anglo-Russo, que traíram a greve e acabaram com ela. No ano seguinte, foi a vez de uma experiência ainda mais catastrófica na China, quando a aliança com o já reacionário Kuomintang levou o Partido Comunista a uma derrota avassaladora e a um banho de sangue dos operários que se ergueram em Xangai, desorganizando completamente o movimento popular chinês pela repressão do Kuomintang.
Após essas fatídicas derrotas, o stalinismo e a III Internacional controlada por ele implementaram um giro de 180 graus, indo da direita para o ultra-esquerdismo. Na Alemanha, por exemplo, os comunistas se recusaram a fazer uma frente única com a social-democracia contra a ascensão de Hitler e na França chegaram a apoiar ações fascistas contra a mesma social-democracia. Era a política do “Terceiro Período”, que pregava o “social-fascismo”, afirmando que não se poderia mais fazer alianças com os reformistas (mesmo eles sendo majoritários no movimento operário), porque eram o braço esquerdo do fascismo. Imaginavam, ademais, que seria até bom a subida ao poder dos fascistas, porque estes desestabilizariam a tal ponto o regime político burguês que enfraqueceriam a burguesia e, sendo eles próprios muito frágeis, abririam o caminho para a revolução socialista!
Depois de mais um ciclo de derrotas, com os nazistas enviando tanto os comunistas como os social-democratas para os campos de concentração, o stalinismo implementou um novo giro de 180 graus em sua política centrista, pregando novamente uma colaboração de classes com a burguesia e promovendo as chamadas frentes populares em todos os lugares.
Após aliar-se com os fascistas, portanto, o Partido Comunista Francês, sob as ordens da III Internacional, formou uma frente com o Partido Socialista e o Partido Radical em um movimento de ascensão revolucionária do proletariado francês. Essa frente serviu ao único propósito de conter o desenvolvimento da classe operária para a tomada do poder. Intensas agitações infestaram o país em 1936, com greves e ocupações de fábricas, até explodir uma greve geral de características revolucionárias. A frente popular, que estava no governo, teve de entregar os anéis para não perder os dedos, e o PCF foi fundamental nessa política, tanto de boicotar o movimento como de acabar com a greve fazendo concessões para que a crise revolucionária terminasse sem a tomada do poder pelo operariado, mantendo assim a burguesia no controle da situação.
Caso ainda mais grave foi na Espanha. O governo republicano teve forte apoio do Partido Comunista, sendo, assim, um governo de frente popular e colaboração de classes, e tendo chegado ao poder graças à mobilização radical dos trabalhadores espanhóis. A situação evoluiu de maneira que, em 1936, estourou uma revolução, na qual os operários ocuparam fábricas e os camponeses, as terras. A burguesia reagiu com o fascismo entrando em guerra civil com os republicanos e seus aliados comunistas e anarquistas. Durante a guerra, que durou até 1939, ao invés de tomar as armas para, enquanto lutava contra o fascismo, desenvolver o caráter socialista da revolução, os comunistas praticaram uma política tão direitista quanto os republicanos.
Mas o fato mais marcante da revolução espanhola foi o papel da própria URSS. Em sua política internacional de conciliação com os países imperialistas “democráticos”, concordou em não intervir do lado republicano na guerra, mas ao mesmo tempo a Alemanha e a Itália enviavam homens e armas para as tropas de Franco. Quando a situação degringolou, os soviéticos se limitaram a criar brigadas internacionais (sob a pressão do movimento operário mundial), controlando-as rigidamente, sem o poder necessário e possível para intervir de verdade na guerra a fim de desequilibrar o conflito a favor da República.
Quando chegaram à Espanha, as brigadas, subordinadas ao Partido Comunista (que, por sua vez, era subordinado a Moscou) substituíram, à força, as milícias operárias, transformando-as em exército regular e as incorporando nas tropas republicanas, que, naquele momento, já estavam em claro declínio. O ponto mais dramático foi o confronto do Partido Comunista com os militantes do Partido Operário de Unificação Marxista (POUM), que era tachado de trotskista, e que levou a uma repressão violentíssima de seus militantes pelos oficiais do PCE, desintegrando o POUM e jogando a pá de cal na última esperança de organização independente dos operários espanhóis. Isso já foi em 1939 e tornou-se fundamental para a derrota das forças de esquerda para o franquismo, que impôs seu domínio sobre o país transformando a Espanha em um estado fascista que durou 35 anos.
(Continua)
submitted by Des777soc to BrasildoB [link] [comments]


2020.09.14 13:44 JustCallMeLyraM8 GT DA BROTHERAGEM

GT DA BROTHERAGEM
/cc/
>eu tenho um amigo bem próximo
>amigo não
>ele é tipo um irmão
>amo aquele filho da puta
>vamos chamar ele de Maicão
>nos conhecemos no jardim da infância
>dividíamos o todynho e o biscoito passatempo no recreio
>bolachaéocaraio.mp3
>estudamos na mesma turma até a quinta série quando os pais dele se mudaram pra longe da escola
>ele continuava morando na mesma cidade, mas tava numa escola diferente
>ainda assim nos víamos todos os fins de semana
>nossas famílias se tornaram amigas também
>tudo era um mar de rosas até o final de 2004
>ano 2005
>entra uma aluna nova na minha turma
>o nome dela era Thais
>lembro como se fosse ontem do momento em que ela entrou na sala
>tudo parecia ter ficado em câmera lenta
>o sol batia nela
>o ventilador soprou seus cabelos
>ela marchava como uma égua manga larga do trote formoso
>paudureci naquele exato momento
>o foda é que eu tava em pé naquela hora e a primeira aula era de educação física
>short.gif
>todo mundo da sala começa a rir de mim e a gritar
>me chamaram de pau retrátil porque foi só a menina aparecer que ele subiu
>morri de vergonha naquela hora
>sentei na cadeira e pus a mochila no meu colo
>eu só queria sumir
>até a professora riu
>mas a Thais não
>ela sentou atrás de mim e disse pra eu não ligar pra eles e que eu ficava lindo com vergonha
>caraio vei não pude acreditar
>eu era tão tímido que pedi pra ir no banheiro na mesma hora e fiquei trancado lá até a hora do recreio
>quando o recreio chegou eu pus o dedo na goela na frente da sala dos professores
>acho que vomitei até meu intestino naquela hora
>comecei a dizer que tava passando mal
>os professores me liberaram da escola e fui pra casa mais cedo
>chego em casa e passo a tarde toda tendo fantasias masturbatórias com a Thais
>eu era tão beta quanto aqueles peixes de briga
>quando a noite chega eu corro pra casa do Maicão
>conto tudo pra ele feliz da vida
>Maicão fica feliz por mim
>brodagem.rar
>segue o jogo
>durante o resto do ano eu iria me aproximar cada vez mais da Thais e me afastar cada vez do Maicão
>ele dizia que ela tava me afastando dele mas eu discordava
>dizia que era coisa da cabeça dele
>o tempo passa
>a Thais é promovida à pitanguinha e a distância entre mim e meu brother ia aumentando cada vez mais
>um dia briguei feio com o Maicão quando ele disse que ela tava cmg só por conta do meu dinheiro
>eu não era rico, mas da escola eu era o mais bem de vida
>meu pai era o único que não tava preso e não trabalhava com drogas
>minha mãe não trabalhava na zona
>zoas ela trabalhava sim
>ela agenciava a tua mãe, aquela puta boqueteira
>zoas de novo, minha mãe era artista plástica
>um dia eu acabo falando pra Thais que o Maicão tava se sentindo escanteado
>ela começa a me dizer que era inveja do nosso relacionamento e que ele só queria nos separar
>acabo dando ouvidos a ela e brigando feio com ele
>putaquepariuqueburrice
>nunca devia ter dado ouvidos à ela
>foco no gt
>paro de falar com o Maicão e cada vez mais me entrego pra a Thais
>toda semana era cinema
>lanche na Mc Donald’s
>roupa na Marisa
>minha mesada começou a ser exclusivamente dela
>um belo dia recebo uma mensagem do Maicão dizendo que a Thais tava me traindo
>respondi mandando ele tomar no cu
>ja faziam uns 5 meses que eu não falava com ele e do nothing ele vinha com um papo desses
>ele disse que eu devia ficar atento aos sinais
>não dou a foda pro que ele diz e continuo o namoro
>na semana seguinte vejo ela com uma marca roxa no pescoço
>ela diz que tinha caído da escada
>eu disse que acreditei mas fiquei desconfiado
>nada me tirava da cabeça oq o Maicão tinha me dito
>procuro ele e conto oq aconteceu
>diferente de mim ele não era um filho da puta
>Maicão me ove e depois me conta tudo que sabia
>a Thais tinha vindo da escola em que ele estudava
>ela era conhecida como viúva negra na escola
>ela se prendia à um macho e sugava tudo dele até ele não ter mais nada
>sim, ela tmb sugava o pau
>não, ela não tinha sugado o meu ainda
>Maicão continua a história dizendo que tinha visto ela saindo da casa de um carinha que morava no mesmo bairro dele
>até aí não vi nada demais
>mas ele me disse que ela tinha dado um beijo na boca do cara na saída e quando virou de costas o cara deu um tapa na bunda dela
>ÉOQ?!
>aquela vadia não tinha nem sequer me deixado pegar na bunda dela ainda
>dizia que era só depois do casamento
>eu era beta betoso full +15
>ela me levava pra igreja todo domingo
>acreditava nela sem questionar
>caio no choro e o Maicão me consolou
>disse que eu não tava sendo um bom amigo mas que ele nunca deixou de me ter como irmão
>bolamos desmascarar ela juntos
>ela ia pra casa dele toda sexta de noite
>realizo que era a hora que a mãe dela saía de casa pra ir pro culto de oração da igreja
>caraio_como_sou_burro.jpeg
>chifre.rar
>no dia seguinte falo com a Thais como se nada tivesse acontecido
>ela diz que me ama
>digo que amo ela tmb
>caraio, eu queria matar ela ali naquela hora
>mas amava aquela desgraçada
>feelsbad.png
>sexta feira
>19h
>tava com o Maicão escondido na rua da casa dela
>avistamos a mãe dela saindo de casa
>corremos pra mãe e contamos a história
>mãe não acredita, mas topa ir com agnt até a casa do talarico
>19:30h
>Thais sai de casa com um short enfiado no cu
>pqp pra quê enfiar tanto ssaporra?
>tava tão fundo que ela devia ta sentindo do gosto dele
>seguimos ela de longe
>a vadia entra na casa do moleque
>nessa hora a mãe dela já queria matar ela, mas eu fiz ela esperar
>entrei dando um chutão na porta da frente
>queria pegar ela com a boca na botija
>e consegui
>infelizmente a botija em questão era a rola do cara
>ela tava engolindo o pau daquele moleque com uma facilidade absurda
>nem sua mãe consegue engolir minha piroca tão fácil
>foco no gt
>Thais leva um susto tão grande na hora que morde o pau do cara
>num ato reflexo por conta da dor o cara da um murro na cara de Thais
>ela cai no chão
>a mãe dela comeca a bater nela com uma havaianas e depois começa a arrastar ela pelos cabelos pra fora de casa
>a Thais é arrastada pela rua até chegar em casa
>racho o bico com a cena como mil hienas comemorando a morte do Mufasa
>peço perdão pro Maicão pela cagada que fiz
>Maicão diz que fui um idiota, mas que era o irmão dele e que nada iria nos separar
>dois dias depois Thais chega na escola toda roxa
>tinha apanhado tanto que o conselho tutelar tirou a guarda dela da mãe
>ela chega perto e diz que quer falar CMG
>ignoro
>ela me puxa pelo braço, olha no meu olho e diz:
>como vc descobriu?
>digo que o Maicão me contou tudo
>ela diz que vai pra um orfanato hoje. Só foi na escola buscar sua transferência.
>Kkkkkjkkjjjk
>ela diz que eu posso rir agora, mas quem ri por último ri melhor. Disse também que nunca iria esquecer aquilo e que o Maicão iria pagar por ser x9
>puxo meu braço, dou as costas e vou embora
>ano 2016
>terminei a escola e faço faculdade
>Maicão faz o mesmo curso que eu e estudamos na mesma turma novamente
>full brothers +15
>desde o episódio com a Thais nunca mais tínhamos brigado
>trabalhávamos, tínhamos nossa independência
>tudo ia bem até recebermos o convite para uma festa que rolaria naquela noite
>eu e o Maicão dividiamos o apartamento agora
>o convite veio por baixo da porta dentro de um envelope
>open_bar.jpeg
>o envelope vinha com 2 pulseiras
>as pulseiras davam acesso à área vip da festa onde rolaria os alcoolismo
>ficamos relutante por um momento até abrirmos a carta
>a carta tava endereçada à mim e ao Maicão
>era uma letra de mulher
>não tinha muita informação só dizia que não deviamos perder a festa por nada e que lá tudo seria explicado
>não tinhamos nada à fazer então topamos
>22h
>party.time.jpeg
>logo de cara fomos recebidos por duas loiras peitudas que estavam de camisa branca
>ambas estavam dançando na entrada da festa enquanto se molhavam com uma mangueira
>séélococuzão.rar
>a festa tinha uma proporção de 4 depósitos para cada homem
>a cada dois homens, um era gay
>era tipo o plenário da câmara dos deputados só que ao contrário
>quando entramos no salão principal todo mundo virou pra a gente
>tipo aquela cena do universidade monstro
>as depósitos cochichavam entre elas
>pensamos que tinha algo errado conosco mas a vdd é que éramos os caras mais lindos dali
>na vdd nem éramos isso tudo, mas tínhamos rola e éramos heterossexuais
>feelsalpha.png
>fomos andando até a área vip
>a decoração da festa era cheia de fotos de uma depósito
>era uma ruiva 10/10
>a festa devia ser dela
>tive a impressão que ja tinha visto ela em algum lugar
>áreavip.gif
>a área vip era lotada de bebidas
>não tinha uma depósito abaixo de 8/10
>no buffet tinha camarão e lagosta
>mano do céu era a festa mais foda que eu ja tinha ido
>quando olho pro lado ta o Maicão atracado com uma mina
>dois minutos depois a mina larga ele e agarra outra mina
>ÉOQ?!
>aquilo tava parecendo um bacanal grego
>uma coisa no entanto me incomodava
>quem teria nos convidado?
>avisto a anfitriã da festa, aquela ruiva 10/10
>ela se aproxima de mim lentamente
>mano do céu, paudureci na hora
>só conseguia imaginar eu enfiando o pau tão fundo nela que quando eu terminasse ia ta na camada do pré-sal
>a calça aperta e ela percebe que estou preparado para o abate
>fico sem graça e tento disfarçar
>ela vem por trás de mim, ri e diz que eu fico lindo com vergonha
>gelei na hora
>caraio, era a Thais - pensei
>pergunto se ela era a Thais
>ela ri e me chama de idiota.
>diz que seu nome é Raquel
>caraio, ela nao tinha nada a ver com a Thais
>errei feio, errei rude
>pensei que tivesse estragado minha chance
>raciocinando com a destreza de um crackudo na fissura e digo:
>é porque thaislinda com essa roupa
>ela ri, eu rio, segue o jogo
>nessas horas eu nem sabia mais que existia um Maicão
>só pensava em mergulhar naquelas tetas magníficas
>na boa, se ela fosse minha mãe eu mamaria até hj
>quando olho pro lado o Maicão tava agarrado com duas ao mesmo tempo
>bodyshot.gif
>caraio o Maicão tava levando uma surra de peito na cara enquanto bebia e eu no 0x0
>me aproximo da ruiva já na maldade
>ela chega do meu lado
>põe a mão no meu ombro e fala na minha orelha direita:
>quem é esse teu amigo?
>poooooooooooorra.mp3
>o moleque ja tinha catado duas e agora ia catar a ruiva
>tive vontade de mandar ela se fuder, mas ele era meu brother, não podia prejudicar ele
>nenhuma depósito ficaria entre nós
>não deu nem 10 minutos do momento que disse o nome dele pra ela e ela ja tava agarrada nele
>a ruiva chupava a língua dele como se fosse o último picolé do verão
>avisto uma depósito 9/10 dançando sozinha
>penso em me aproximar, mas antes que eu chegue a ruiva puxa ela e põe na roda com o Maicão
>ja não entendia mais nada
>eu sempre pegava as depósitos +/10 do que ele e agora ele tava numa orgia de bocas e eu sem nada
>começo a beber
>realizo que ta na hora de baixar as expectativas
>avisto uma ananzinha 5/5 escorada no balcão
>me aproximo dela e pergunto se o pai dela era padeiro
>ela pergunta se era pq ela era um sonho
>eu digo que era pq eu queria comer a rosca dela
>sério que anã rabuda do carai
>a anã me dá um tapão e sai de perto
>vsf que festa merda do carai
>comecei a beber descontroladamente pra compensar a frustração
>dou em cima da garçonete
>a garçonete era uma trans
>ela me esnoba e vai embora
>vômito.rar
>caraio nem a mulher com rola me quis
>decido que hoje não é meu dia e que ta na hora de voltar pra casa
>procuro o Maicão pra ir embora cmg
>vejo ele entrando no carro com duas 1,5 depósitos
>pensei que ele tivesse indo pra um motel ou algo do tipo
>ele tava de mãos dadas com a ruiva e com a anã 5/5
>a ruiva olha pra mim, da uma risada e depois um xauzinho
>caraio que raiva daquela ruiva
>me esnobou e agora vai dar pro meu brother
>faço sinal pro Maicão que vou embora
>ele grita “Oklahoma”
>era nosso sinal secreto
>significava que ele ia realizar o ato de socação intra uterina e que eu não deveria incomoda-lo
>entendo o recado, dou meia volta e volto pra casa
>chegando em casa
>tudo girava por conta do álcool
>brinco um pouco com o o Visconde de Sabugosa até ele cuspir
>durmo
>no dia seguinte acordo com dor de cabeça, deitado no sofá
>percebo que tinham 537272717 chamadas não atendidas no meu celular
>todas do Maicão
>imagino todas as desgraças do mundo
>comeco a ligar de volta mas ele nao atende
>recebo uma ligação de um número desconhecido no meu celular
>é uma mulher
>ela ria descontroladamente
>disse que estava na festa o tempo todo me observando
>pergunta se a noite foi boa e se eu peguei alguém
>mando ela tomar no cu e digo que peguei a mãe dela
>ela racha o bico e diz que é impossível pq a mãe dela foi a primeira a pagar oq devia
>gelei na hora
>reconheci a voz
>era a Thais
>ela começa a contar seu plano do mal
>diz que foi parar num orfanato depois daquele episódio
>que apanhou muito da família onde foi parar mas a família era podre de rica
>a família produzia festas tipo o tomorrowland
>viajaram pra fora do país e levaram ela junto
>disse que por muito tempo quis se vingar mas a família não dava a foda
>dois meses atrás a família tinha morrido num acidente de carro e ela ficou como única herdeira
>ela pôs como meta de vida concluir a vingança que passou anos arquitetando
>disse que a festa foi planejada por ela
>que todas as depósitos da área vip foram contratadas por ela baseadas no meu tipo de mulher
>pergunta como me senti não pegando ngm e vendo o meu “amiguinho” catando todas
>respondo que a vingança dela era uma merda e que tava feliz pelo meu brother
>ela racha o bico e diz que a vingança dela não era me deixar sem pegar ngm
>ela queria se vingar dele por ele ter dedurado ela
>pergunto qual vingança há em encher a rola dele de depósito
>você verá - ela me disse
>desligo o espertofone e percebo que chegou uma mensagem do Maicão no oqueapp
>faz uma semana que o Maicão toma mais coquetel que o Amaury Jr.
pica relatada da mensagem
https://preview.redd.it/9o5g9y8ep3n51.jpg?width=1080&format=pjpg&auto=webp&s=3dbefd7c59d10e7b40b9168ddac79176762f8591
submitted by JustCallMeLyraM8 to gtsdezbarradez [link] [comments]


2020.09.14 04:58 altovaliriano Stannis Baratheon (Parte 8)

No mesmo dia em que a notícia da morte de Joffrey chega a Pedra do Dragão, Davos tira Edric Storm da ilha. Ao saber da notícia, Stannis fica abalado com a traição de sua Mão. Ele havia mantido Davos nas celas por ter ameaçado a vida de Melisandre. Naquela ocasião, a mulher vermelha vira nas chamas a ameça e lhe contou. Agora, porém, ela nem mesmo previu. Davos o traiu por debaixo do nariz até mesmo de R’hllor.
O Rei se sente cansado da sucessão de Mãos traidoras. Alester Florent quase fez um acordo de rendição com os Lannister e entregou Shireen para se casar com o abominável bastardo Tommen. O cavaleiro das cebolas o privou da única ferramenta que poderia encerrar a guerra, unir o reino e trazer dragões de volta a vida. Stannis sabe que a pena para traição é a morte, por isso mesmo ele desembainha luminífera para oferecer a Davos um pouco mais da mesma justiça que o fez perder seus dedos.
Ajoelhado, Davos então pede para ler algo, que nem Stannis ou Melisandre sabem ser a carta de meistre Aemon pedindo ajuda. Stannis concede, com os músculos do pescoço projetando-se “como cordões” de tanta raiva. O resto dos acontecimentos, não ficamos sabendo. Dez capítulos depois, Stannis está na Muralha e presumimos que as tensões em Pedra do Dragão acabaram e todo mundo se perdoou.
Mas, obviamente, não foi isso que aconteceu. A viagem de Stannis é cercada de nuances inusitadas e inescrutáveis.
Como Davos convenceu Stannis a ajudar a Patrulha?
Para muitos esta pergunta deve parecer um pouco ridícula. Parece óbvio que Stannis, após ter tido a visão com “um anel de archotes, [...] um monte alto qualquer numa floresta [...] homens de negro atrás dos archotes, e [...] silhuetas em movimento através da neve”, ele entenderia que estava olhando para a Patrulha da Noite, certo?
Talvez, mas é necessário entender que a luta de Azor Ahai não era contra os selvagens, mas sim contra um inimigo feito de escuridão, frio e morte. A visão que Stannis teve foi a de um monte alto em uma floresta e silhuetas na neve, o que de forma nenhuma coincide com o terreno de Castelo Negro.
Por outro lado, vejam que até mesmo uma pessoa com inclinações humanitárias como Davos não vê qualquer vantagem para Stannis em socorrer a Patrulha quando lê a carta pela primeira vez:
Onde está o mal em um rei selvagem qualquer conquistar o Norte? Afinal, Stannis sequer controlava o Norte. Sua Graça dificilmente podia ser acusada de não proteger pessoas que se recusavam a reconhecê-lo como rei.
(ASOS, Davos V)
Davos obviamente não faz este cálculo usando a moral como bússola. Ele provavelmente faz um cálculo político, como Mão do Rei, como alguém que conhece a cabeça de seu próprio Rei. Afinal, Stannis não tinha homens para oferecer uma ajuda real à Patrulha. Nas condições que Stannis estava, para dar uma ajuda real ele teria que ir enviar praticamente toda sua força.
Sou a Mão do Rei, certo. Stannis podia ser o Rei de Westeros no nome, mas na realidade era o Rei da Mesa Pintada. Controlava Pedra do Dragão e Ponta Tempestade e tinha uma aliança cada vez mais incômoda com Salladhor Saan, mas era só. Como podia a Patrulha ter voltado os olhos para ele em busca de ajuda? Podem não saber como ele é fraco, como a sua causa está perdida.
(ASOS, Davos V)
Sabe o que é interessante sobre isto? Quem foi que deu uma resposta igual a essa ao pedido de ajuda feito pela Patrulha? Tywin Lannister.
Tyrion lembrou-se de sua visita à Muralha [...].
[...] A Patrulha está com uma grave falta de efetivos. Se a Muralha cair...
... os selvagens inundarão o Norte – concluiu o pai – e os Stark e os Greyjoy terão outro inimigo para combater. Se, como parece, já não desejam ser súditos do Trono de Ferro, com que direito olham para ele em busca de ajuda? Tanto o Rei Robb como o Rei Balon reivindicamo Norte. Que eles o defendam, se conseguirem. E, se não conseguirem, esse Mance Rayder até pode se revelar um aliado útil.
(ASOS, Tyrion III)
Stannis divide alguns traços de personalidade com Tywin, especialmente no tocante a fachada de durões. Ambos são comandantes de guerra experientes, que preferem comandar da retaguarda, bons estrategistas e têm visões pragmáticas da política. Ambos se reconhecem como inimigos poderosos e tentam esconder suas estratégias do outro, pois têm mentalidades muito próximas. Nessa releitura, inclusive, reparei pela primeira vez que Tywin e Stannis usam a mesma expressão para avaliar Robb Stark:
Sim, pus os homens menos disciplinados na esquerda. Previ que quebrariam. Robb Stark é um rapaz verde, provavelmente mais ousado que sábio.
(AGOT, Tyrion VIII)
...
[...] O filho de Eddard Stark foi proclamado Rei no Norte e conta com todo o poderio de Winterfell e Correrrio.
Um jovenzinho verde – Stannis ironizou. – E outro falso rei. Devo aceitar um reino mutilado?
(ACOK, Prólogo)
Diante destas similaridades, me chamou a atenção que Tywin Lannister foi o único outro político a receber uma carta de apelo vinda da Muralha. Eis a resposta que ele deu a Pycelle:
Cinco reis? – o pai estava aborrecido. – Há um rei em Westeros. Esses tolos de negro podiam tentar se lembrar disso, se desejam que Sua Graça lhes dê ouvidos. Quando responder, diga-lhe que Renly está morto e que os outros são traidores e farsantes. […] – A Patrulha da Noite é formada por um bando de ladrões, assassinos e grosseirões ilegítimos, mas ocorre-me que poderiam demonstrar ser diferentes, desde que tivessem a disciplina adequada. Se Mormont está realmente morto, os irmãos negros têm de escolher um novo Senhor Comandante. […] solicite a Marsh que dê os melhores cumprimentos de Sua Graça ao seu fiel amigo e servidor, Lorde Janos Slynt.
(ASOS, Tyrion IV)
Essa deve ter sido exatamente a reação de Stannis quando Davos leu a carta. Portanto, se Davos queria estar preparado para convencer Stannis, ele deveria ter alguns argumentos na manga para mostrar que: 1) a Patrulha não quis ofender a pretensão de ninguém, apenas está desesperada; 2) São uma ordem com algum senso de honra; 3) que vale a pena salvar o Norte de uma invasão e 4) que os selvagens não são necessariamente uma ameaça.
Qual não foi minha surpresa quando notei que Davos reflete sobre todos esses argumentos no capítulo anterior a tirar Edric de Pedra do Dragão e ler a carta a Stannis e Melisandre. A história de Davos sendo aprendiz no barco de Roho Uhoris, que a primeira vista parece uma lembrança totalmente desconexa a princípio, parece ter uma função no convencimento de Stannis.
Davos sabia que Stannis ficaria ofendido pela menção ao cinco reis (“essa conversa de cinco reis teria sem dúvida enfurecido Stannis”), mas Davos sabe que se a carta também havia sido enviada a Stannis, a Patrulha deveria estar em uma situação tão desesperada que não tinham como escolher (“Só um homem esfomeado suplica pão a um pedinte”). Mas a Patrulha não sabia da situação de Stannis (“Podem não saber como ele é fraco, como a sua causa está perdida”), então, ao responder ao chamado Stannis poderia passar a impressão de força e ainda matar a fome de vitória de seus soldados.
Porém, como Tywin alegou a Patrulha é apenas um “bando de ladrões, assassinos e grosseirões ilegítimos”, por que Stannis gastaria recuros e se juntaria a este tipo de escória? É aqui que entra a história aparantemente aleatória do tyroshi em cujo barco Davos foi aprendiz.
A primeira vez em que viu a Muralha era mais novo do que Devan e servia a bordo do Gato da Calçada às ordens de Roro Uhoris, um tyroshi conhecido de cima a baixo do mar estreito como Bastardo Cego, embora nem fosse cego nem filho ilegítimo. Roro tinha passado por Skagos e entrado no Mar Tremente, visitando uma centena de pequenas angras que nunca antes tinham visto um navio mercante. Trouxe aço; espadas, machados, elmos, boas camisas de cota de malha, para trocar por peles, marfim, âmbar e obsidiana. Quando o Gato da Calçada voltou para o sul, trazia os porões repletos, mas na Baía das Focas surgiram três galés negras e pastorearam-no até Atalaialeste. Perderam a carga e o Bastardo perdeu a cabeça, pelo crime de vender armas aos selvagens.
Davos tinha comerciado em Atalaialeste nos seus dias de contrabandista. Os irmãos negros eram inimigos duros, mas bons clientes, para um navio com o tipo certo de carga. Mas apesar de ter aceitado o seu dinheiro, nunca esqueceu o modo como a cabeça do Bastardo Cego tinha rolado pelo convés do Gato da Calçada.
A história mostra que representa a Patrulha como uma ordem com uma certa noção de disciplina e justiça. Fiel no cumprimento de seu dever. Veja que o incidente ocorreu antes da vida de contrabandista de Davos, não havendo porque ninguém suspeitar que ele seria persona non grata. Ainda assim, a experiência foi marcante o suficiente para ficar na memória do cavaleiro das cebolas.
Por outro lado, a fama de bons clientes é uma sutileza interessante. Mostra que a Patrulha é aberta a negócios e não trata pessoas com ingratidão. Este tipo de julgamento de Davos deve ser capaz de aplacar qualquer medo que Stannis tivesse de seguir para o Norte, ajudar a Patrulha e, no fim, ser recompensado com ingratidão.
Todos estes detalhes soariam como música nos ouvidos de Stannis e muito possivelmente poderia neutralizar a opinião elitista que o rei certamente compartilha com Tywin.
Quanto ao convencimento de que o Norte merecia atenção, Davos buscou inspiração nas próprias palavras de Melisandre.
Quantos garotos vivem em Westeros? Quantas garotas? Quantos homens, quantas mulheres? A escuridão vai devorá-los todos, diz ela.
(ASOS, Davos V)
Assim, quando a nova Mão percebe que a visão fala sobre a Patrulha da Noite, que está no ponto mais ao Norte de Westeros, ele vê que as palavras de Melisandre prenunciam que todos ao Sul da Muralha estão indistintamente no mesmo barco. Portanto, poderia facilmente argumentar que a noção de povo que Baratheon deveria proteger com o sacrifício de Edric também incluía as pessoas que não se ajoelharam para ele. Afinal, era exatamente o que ele estava tentando fazer tendo o povo do Sul em mente.
Se Melisandre soubesse desta carta... O que foi que ela disse? Aquele cujo nome não pode ser proferido está reunindo o seu poder, Davos Seaworth. Em breve chegará o frio, e a noite que nunca termina... E Stannis teve uma visão nas chamas, um anel de archotes na neve, rodeados de terror.
(ASOS, Davos V)
sei que um rei protege o seu povo, caso contrário não é rei nenhum.
(ASOS, Davos VI)
O convencimento de que o Povo Livre não era uma ameaça, porém, não ocorreu com base neste mesmo argumento. Nós vimos Jon Snow fazer uma forte defesa de que os selvagens eram homens também, mas em nenhum momento a coisa ocorre do mesmo jeito com Stannis. Em verdade, no momento em que Davos lograsse demonstrar que o Norte precisaria ser salvo, pensar em uma parceria com Mance Rayder (como Tywin cogitou, então portanto passaria pela cabeça de Baratheon) seria um tiro no pé de Stannis. Ele sabia que os Nortenhos veriam Mance como uma ameaça constante e nenhum deles abrigaria o Povo Livre.
Assim, Davos precisava convencer Stannis de que os selvagens não eram todos clones de Mance Rayder, que era possível separar o joio do trigo. Por outro lado, uma visão humanista dos selvagens também se fazia necessária para que o rei não os visse como seres humanos e, portanto, seus súditos. Para isso, GRRM usa novamente a experiência de Davos com Roho Uhoris.
Conheci alguns selvagens quando era garoto – disse ao Meistre Pylos. – Eram ladrões razoáveis, mas ruins na pechincha. Um deles desapareceu coma nossa garota de cabine. Tudo somado, pareceram-me homens como os outros, uns bons, outros maus.
O argumento certamente convenceu Stannis, pois temos evidência de que ele já chegou em Castelo Negro com a intenção de dobrar os joelhos dos selvagens, não massacrá-los. Até o número de cativos é igual ao número de mortos. Uma quantidade enorme de prisioneiros, especialmente de um povo que não paga resgates.
Matei mil selvagens, capturei outros mil e dispersei o restante, mas ambos sabemos que eles voltarão. Melisandre viu isso em seus fogos. [...] E quanto mais nos sangrarmos uns aos outros, mais fracos estaremos todos quando o verdadeiro inimigo cair sobre nós. […] Seus irmãos não gostarão disso, não mais do que os senhores de seu pai, mas eu pretendo permitir que os selvagens atravessem a Muralha... [...] Quando os ventos frios se erguerem, sobreviveremos ou morreremos juntos. É hora de fazermos uma aliança contra o nosso inimigo comum.
(ASOS, Jon XI)
Stannis perdoou Davos?
Outra pergunta que parece ter uma resposta óbvia e ululante, mas só parece. Stannis não matou Davos, mas todas as pessoas envolvidas na extração de Edric de Pedra do Dragão foram sutilmente punidas por Stannis.
Rolland Storm e Meistre Pylos foram deixados para trás em Pedra do Dragão para tomar conta da fortaleza. Salladhor Saan somente não foi dispensado porque Stannis precisava dos navios dele para chegar a Atalaialeste, mas Stannis não deu qualquer outro passo para tentar pagar o pirata desde então, fato que pesou na decisão do liseno de abandonar Stannis.
No fim, Stannis enviou Davos em uma missão que dependia exclusivamente dos navios de Saan, um pirata a quem ele estava negligentemente negando pagamento.
Então, de certo modo, Stannis tornou-se um pouco mais negligente com Davos, o despachou para longe e passou a lhe exigir mais serviço. Uma punição tão sutil que pode nem ter sido deliberada, algo inconsciente.
Contudo, o rei não foi tão longe ao ponto de convocar os homens que estão guardando Edric em Lys.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.09.14 03:19 cnt_d_jgr_fr Uma ajuda aqui, /r/ desabafos.

Já pensei em fazer este tipo de post várias vezes antes, nunca seguia em frente, dessa vez decidi publicar. Já moí e remoí inúmeras vezes como começar, e escolhi esse jeito que foi diferente de todos os outros que pensei. Desculpem, eu escrevo muito, e não sei se vocês irão ter paciência de ler tudo. Se sim, obrigado;
É difícil saber onde começar, mas provavelmente deve ser pelo mal raiz: A depressão. Eu convivo com ela e a ansiedade já fazem anos e anos. Eu desde criança fui alegre, esperto, inteligente, (bem acima dos demais ao meu redor, que me cedia elogios de todas as partes) mas no geral, normal como qualquer um. Eu não sei se vou conseguir descrever todo o processo, mas a partir do final da adolescência se não me engano isso começou. No começo meus pais não ligaram muito e nem eu, mas com o tempo, foi piorando. Fui perdendo o gosto por coisas que sempre gostei, não tinha mais graça jogar video game que desde criança eu o fiz (e hoje em dia tenho inglês de nível avançado que aprendi como auto-didata) ou assistir alguma coisa de comédia, seja de qual tipo fosse. Hoje em dia é raro. Eu deixei passar e ela nunca ficou tão ruim, achei que não iria piorar, agora ela tomou conta de uma maneira que eu não consigo sentir. Eu acordo, levanto, como, sigo o meu dia, mas pareço um robô na maioria das vezes.
Existem circunstâncias que pioraram, eu sempre fui o risonho que fazia piadas e gracinhas, mas desde cedo tive a visão eu sabia que caso o palhaço saísse de cena o show iria acabar, e assim foi. Minha família sempre foi normal pra todos, mas entre 4 paredes ninguém sabia o que se passava, desde criança meu pai bebia, e isso causava brigas, xingamentos, até agressão acontecia. Acabou minha época de se palhaço quando a depressão piorou e a família agora tá pior que nunca. Minha mãe seguiu sempre com ele, acabavam as coisas ruins e tudo voltava ao normal. Ele nunca teve muita força emocional, quando acabava o dinheiro, ou aparecia uma dificuldade, queria afogar tudo no álcool. Minha família também nunca foi de sair, e eu sempre gostei de ler, de exercitar a mente de tudo que é jeito, e não saí ou fiz amigos quando me mudei. Cada um tem seus hobbies, eu sempre escutei isso e achei que apesar de ruim não era tão debilitante. Porém os anos passaram, passaram, passaram, hoje no meio de tantas crises (como a de 2008 por exemplo) meu pai já não tem mais emprego, e com todas as coisas que aconteceram voltou a beber. Problemas, dívidas, brigas, polícia, mais brigas, mais dificuldades, e tivemos que nos mudar pra uma cidade pobre e pequena. Minha mãe pensou que iria melhorar a nossa situação, resultado: Não melhorou.
Eu não tenho emprego (e duvido que encontraria alguém que me cedesse uma vaga, pra ter que toda hora tirar licença por causa de ansiedade) e os tratamentos que fiz nunca deram certo (só me deixaram pior) o que não é surpresa já que nunca morei em uma casa com uma família "normal" tem anos e meu stress está absurdamente alto. Não me dou bem com ele mas ainda convivemos todos juntos vivendo às custas do mesmo. Ele sabe que tem que nos ter perto pois a família mesmo não quer ele na casa deles. Minha mãe tbm n tem condições de trabalhar, meu pai voltou com a bebida e só deu uma trégua porque tem medo da pandemia mas ainda assim tem os dias de desespero dele que acha que se encher de álcool vai fazer os problemas sumirem, mas não sumiram e trouxeram um outro: Uma úlcera forte que é outro motivo pra ele beber e tentar mascarar a dor enorme e que recusa a tratar no médico mesmo com meu tio e tias querendo ajudar.
No presente, estou com 29 anos, nunca tive uma namorada, uma companheira, alguém pra dar e receber suporte nos momentos bons e ruins, isso porque sempre tive vergonha e achei que podeira acontecer como nos desenhos ou na TV e ter alguma que acabasse se declarando pra mim e não me fazer passar por isso. Nunca aconteceu. As pessoas dizem que ser BV e/ou Virgem são coisas impostas pela sociedade e não nos devemos se sentir mal por isso, mas a solidão dói. Dói muito. À noite é horrível, HORRÍVEL. Nem pra ser como uma dessas pessoas que arranjam uma mulher burra ou que também só tem interesse em um relacionamento rápido pra não ficar sozinha eu tenho sorte, parece que é uma opção inexistente e isso me deixa em um desolamento enorme. Sempre me achei feio ou estranho, fiz uma auto-reflexão e vi que não sou, e que existem casos piores, mas ainda assim todos ao meu redor estão conseguindo alguém, casando ou namorando ou movendo a vida pra frente.
Recentemente comecei o noFap porque vi vários benefícios que todos que tentam reportam. Após alguns dias tive um dos primeiros benefícios e senti mais disposição, mais confiança, só de sair na rua por causa de um compromisso consegui atenção de uma vizinha que morava aqqui por perto sendo que ela só me cumprimentava casualmente. Um dia depois e seguinte, voltou uma depressão, mais forte, sem vontade de fazer nada, sem apetite, e nenhum dos benefícios continuaram. Pretendo seguir mais, só que vai ser difícil porque minha cabeça tá MUITO mal.
Enquanto tava digitando esse post, no dia que pensei em mandar e não mandei, tava tão desesperado que tive pensamentos de acabar com tudo. As outras vezes que tive isso estava em situações ruins também em todos os lados. Pra piorar agora tem essa pandemia: Mesmo que melhorasse da D + A, não há empregos. Mesmo se quisesse ir pra algum lugar, há o risco. Estamos sobrevivendo da aposentadoria e de auxílio, e o dinheiro está acabando além do fato de que os problemas alimentam uns aos outros. Minha época de maior disposição física e maior apetite pra relacionamentos passou, e o tempo continuou correndo vertiginosamente. Queria perguntar à vocês o que eu poderia fazer pra tentar sair dessa, porque dessa vez tá muito difícil. Posso responder mais perguntas caso tenham alguma.
submitted by cnt_d_jgr_fr to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 01:24 tali720 Sinto que essa era pra ser a melhor fase de minha vida e na verdade tudo está sendo um inferno

Eu engravidei na faculdade, de um ficante que não quis nada com a filha. Ok, segui minha vida, tive responsabilidade e tive minha filha. Apesar das dificuldades de criar uma filha só, tudo estava ocorrendo bem. Eu tinha um emprego que pagava o suficiente pra eu manter um pequeno apartamento com ela, e dei a sorte que minha filha é muito mais maravilhosa do que qualquer ideia que eu poderia ter tido dela: é alegre, divertida, inteligente, fofa e nos damos muito bem. Ela tá pra fazer 4 anos.
Acontece que a 2 anos atrás perdi o emprego. Me mantive no apartamento um tempo ainda com as minhas reservas financeiras, mas uma hora iriam acabar. Então, tive que me mudar pra o apartamento de minha mãe.
Acontece que minha mãe é extremamente agressiva, mimada, egoísta e me trata feito um lixo. Ela é médica, por isso acha que é superior a todos, e tem aquela visão de que a casa deve estar tudo 100% no lugar (e casa organizada e criança feliz não combinam). Quando eu vim, fiquei aqui não morando de graça, mas ajudando nas contas da casa e a arrumando.
Esse ano eu consegui um emprego, mas paga metade do que eu ganhava no meu anterior, e não tenho como me mudar pra outro lugar com minha filha.
Além disso, minha mãe parece estar ficando pior. Começou a falar sozinha, me ofender gratuitamente de inútil e outras coisas além de quase todo dia ter briga aos gritos com minha irmã (uma mulher de 30 anos que mora aqui sustentada e nunca trabalhou).
Então, eu trabalho, estudo (faço pós e estudo pra concurso), arrumo a casa e cuido de minha filha. Mas tenho que ouvir ela me chamando de inútil e me ofendendo, e não posso responder porque não quero que minha filha me veja como alguém agressiva. Não quero que ela ache que sou parecida com minha mãe pois não sou...
Logo, tenho estado extremamente infeliz. Meu dia é bom até a hora que minha mãe chega em casa do trabalho. Ela já chega batendo a porta e reclamando de qualquer coisa. Quando ela chega, eu fico nervosa, começo a tremer e as vezes tenho dores de cabeça muito fortes que provavelmente é de nervoso mesmo.
Mas não era pra eu tar assim... Tenho uma filha maravilhosa comigo, e era a fase onde eu devia estar curtindo feliz com ela. E não chorando todo dia de noite antes de dormir disfarçada pra ela não ver.
Antes do corona todo fim de semana eu saia com minha filha pra qualquer lugar, só pra ficar longe daqui, mas agora eu tô presa aqui e não tenho pra onde ir. Rezo todo dia pra que eu consiga um emprego bom pra sair daqui mas acho que vai demorar... E infelizmente não tem como eu ir morar com outra pessoa no momento.
Eu tenho um namorado, mas é tudo muito novo então não tenho perspectiva de morar com ele no momento, além de que ele tbm ganha pouco.
Ah, além do mais minha mãe esse ano colocou ela em um colégio CARÍSSIMO aqui perto que ela fez questão de botar e eu acabei concordando pois ela disse q iria pagar. Bom, ela usa isso pra me ameaçar a fazer algumas coisas pra ela. No caso, pra fazer tudo pra ela pois ela é preguiçosa e não gosta de mover um músculo na casa. (ir no carro dela pegar alguma coisa q ela comprou, arrumar o quarto dela, ir pegar algum exame dela em outro bairro, levar o carro dela pra balancear ou qualquer coisa). Minha filha tem gostado da escola (apesar de ter parado por causa do corona) então não quero brigar com minha mãe e tirar ela da escola...
Que inferno que tô vivendo. E pensar que em momento nenhum o problema está sendo o fato de eu ser mãe solteira, nem o desemprego que passei, nem nada do tipo. Mas só a presença de uma pessoa que está me fazendo imensamente mal.
submitted by tali720 to desabafos [link] [comments]


2020.09.12 22:04 TheDarknessGoat ME da mod Gau - A Dissertação

Boa tarde, senhor Alexandre.
Meu nome e Cabrito das Trevas e escrevo essa carta para me candidatar ao cargo de moderador da tribo.
Meu exemplar currículo começa nos meus 10 anos, estudei por 5 anos em um colegio só de homem no Rio de Janeiro, e minha aula preferida era Educação física, tinha um vestiário onde a galera tomava banho depois da aula e me deu todo o conhecimento necessário para o banho dos campeões.
Pouco depois saí daquela escola, e me dei mau com mulheres numa escola mista. Foi aí que comecou meu relacionameno de longo prazo com o Reddit. Meu fracasso na vida social me deu algo importantíssimo: um conhecimento de internet e memeologia que venho cultivando desde então. Comecei com memes de facebook, que foi invadido pela família e logo se tornou sem graça. Ja passei por gigantes como 4chan, 9gag e tumblr até finalmente encontrar minha área de atuação e me especializar em reddit.
Hoje em dia ja tenho 6 anos de experiência nesse site e sigo desperdicando meu tempo com uma inspiração agora renovada. Numa tela Reddit, na outra sua live. Um abraco sem camisa,
Seu novo moderador
submitted by TheDarknessGoat to TriboGau [link] [comments]


2020.09.12 05:38 joao_VR_cordeiro consegui comprar outra base sem quase ter um infarto kkk

eu sou o cara do "coisas que eu queria falar aos outros a anos mas eu tenho medo" e vim lhes apresentar meus progressos (ihuuuuuu)

naquele post eu citei meus problemas com minha identidade de gênero. Pois bem, vou deixar uma coisa clara: eu me identifico como homem, porem eu tbm amo usar coisas femininas (como roupas, acessórios, unhas, cabelo, maquiagem, produtos de beleza e tal). Então eu me us uma objetivo:

até o final desse ano eu vou conseguir me "transformar (apenas fisicamente) totalmente em mulher"

eu já tinha um vestido largo que eu "roubei" da minha tia depois que ela voltou pra casa e esqueceu aqui.
eu tbm consegui juntar um pouco do meu salario e comprei uma maquina de barbear para me depilar. (obs: manos é serio se depilem, é a melhor coisa que tem, principalmente para os que transpiram muito. o frescor é indescritível)

agora o tema do post: maquiagem

há varias semanas atras eu acompanhei minha tia enquanto ela visitava algumas lojas de roupa "femininas" aqui na cidade (ela não é daqui). me uma dessas eu vi uma estante de maquiagens bem baratinhas (acho que a base liquida que eu comprei foi uns 10 reais), mas eu não teria coragem de comprar na frente dela. alguns dias depois eu conheci uma garota no tinder (sim, gosto de garotas) e criei um crush nela, e graças a ela eu tive coragem de voltar nessa lojinha e comprar aquela base. mas eu tinha medo então fui bem na hora de abrir para o período da tarde e por sorte só tinham mulheres lá naquele momento então me senti menos ameaçado (o único rapas era o balconista). por não ter homens lá eu senti que as minhas chances de voltar VIVO eram bem maiores (sim, ansiedade que chama). eu estava extremamente ansioso e tremendo de desespero para sair rápido de lá, mas consegui.
depois de uns dias eu descobri que perto de onde eu trabalhava havia uma loja só de produtos de beleza, então eu imaginei que as bases de lá seriam de melhor qualidade. então eu decidi ir lá. dessa vez eu fui até tranquilo pq não dava para ver bem quem entrava lá nem quem estava lá dentro. de fato as bases eram e melhor qualidade e um pouco mais caras,mas para mim era um investimento que valeria a pena futuramente. comprei tbm a esponja especifica para base de rosto.
futuramente pretendo comprar mais makes e se vcs quiserem eu posto fotos aqui todo produzido kkkkkkkk
submitted by joao_VR_cordeiro to desabafos [link] [comments]


2020.09.11 18:35 lustforsilence Homem se atrai mais por Mulheres com gostos masculinos?

Vejo umas que pra atrair homem passa a gostar de futebol, cerveja, jogos, motos, viram bolsonaristas e seguem até Mia Khalifa no instagram, eles não percebem que boa parte faz isso pra ter atenção de homem? Porque a graça de ser mulher é justamente ser diferente dos homens, eu não me atraio muito por homem que tem gostos femininos...
submitted by lustforsilence to desabafos [link] [comments]


2020.09.09 22:37 TiaSayu Fui babaca por humilhar minha mãe depois dela ter contado o noivado surpresa que meu namorado preparou?

Yo Mina, Daijobu deska? ♥
Hoje vou contar mais uma desgraça da minha vida e tentar rir com ela pq realmente, tá complicado...
Vim aqui desabafar uma coisa que anda me machucando a cada minuto que passa. Minha mãe sempre foi uma pessoa difícil de lidar... O temperamento dela nunca se deu bem com o meu, e isso já causou muitas brigas e discussões entre nós duas. Uma vez já postei aqui uma outra situação entre nós duas (Acho improvável que alguém se lembre, estava em outra conta na época, mas tentarei repostar para quem queira ler.)
Enfim, sem mais delongas, vamos direto ao desabafo... Semana que vem será meu aniversario de namoro (12/09) vamos completar dois anos de namoro e tudo corria bem. Estávamos preparando nossos presentes e eu estava ansiosa por mais um Level up na relação. Lutamos muito para seguir com esse relacionamento fantástico, e dou graças a Deus por tudo ter dado certo. Somos felizes e tratamos um ao outro com muito respeito e carinho, e não deixamos de ser melhores amigos mesmo na relação de namorados (Não acredito nesse lance de ''há diferença entre amigos e namorados'' é muito melhor ser os dois em vez de escolher apenas um) Enfim, vamos direto ao ponto.
Minha mãe hoje (09/09/2020) veio até mim e me pergunta ''Você e o Carls (Não vou expor) Vão ser noivos?'' A reação que eu tive foi de choque e surpresa, meu pai e minha irmã tiveram a mesma reação e tudo ficou em um silêncio desconfortável.
Logo eu perguntei, incrédula: ''Ele vai pedir minha mão?..''
Depois disso minha mãe arregalou os olhos assustada, vendo que eu não sabia de nada sobre os planos dele. Eu, logicamente, me emocionei e desabei a chorar. Minha mãe, doce como sempre, disse: ''Pare de chorar e controle-se. Larga de ser tonta e pare de chorar'' Além de outros comentários calorosos para o consolo de minha pessoa. Nisto, meu pai interveio e falou: ''Você tinha que abrir a boca? Você achou mesmo que ela soubesse disso?'' e foi assim que tudo explodiu... Minha mãe estava sendo fria como sempre, ela nunca se importou com coisas que feriam meu emocional e psicológico, tudo na visão dela era ''banal'' e ''frescura'' e eu me cansei disso. Minha reação foi imediata e refutei ela de varias maneiras e isso se tornou uma briga feia. Ainda mantive minha educação, mas fui bem sincera e ela não gostou disso (Por que né, a verdade dói) e ela começou a envolver minha sogra e meu namorado, humilhando os dois para ver se conseguia ganhar nos argumentos que eu lançava. (Um detalhe importante... Quando eu estou prestes a discutir com alguém, sou bem linguaruda e irônica demais, isso de certo irrita qualquer um. Mas em nenhum momento a ofendi e nem disse nenhum palavrão, apenas disse algumas verdades que ela não gostou. Obviamente)
Como sempre ela apelou na presença do meu pai e se fez de coitada, saindo da discussão como vitima de uma filha má. Meu pai pediu educadamente para eu pedir desculpas, já que ''peguei pesado com ela''. Me neguei até o momento e não estou disposta a mudar de ideia só por que ela é minha mãe.
Não foi a primeira vez que ela estraga um prazer meu com sua frieza. Ela já errou comigo varias vezes e fui compreensiva em perdoar. Já eu, quando erro, só falta ser exposta para meio mundo e ser humilhada na frente de quem for; O que ela diz e faz, não é exagero na visão das outras pessoas (O que eu acho doentio de certa forma, por que não deixa de ser uma atitude toxica)... Ela pode destruir minha auto-estima e isso não costuma ser exagero por que né, ela é minha mãe e tals.
Na minha opinião não acho isso. Só por que é mãe ou pai não significa que eles tem o Direito total de fazerem exatamente o que querem ou falar o que querem e quando querem, e a criança/adolescente tem que aceitar e pronto. Eu posso ter sido errada em ser grossa e etc, mas eu realmente fiquei chateada pelo o que aconteceu e creio que toda menina (Pelo menos quase todas) teriam essa reação diante de uma resposta tão fria em um momento considerado especial na vida de uma mulhecasal. Meu namorado confiou nela para não contar e ela me faz isso? Além de ter sido um erro grave e um desrespeito com a nossa relação, ela ainda quis se justificar com frieza e grosseria? Eu realmente não deixaria isso barato e foi o que eu fiz.
Então... Fui babaca em fazer isso com ela?
submitted by TiaSayu to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 04:44 Altruistic-Necessary Sabe o que eu fico puto?

Os cara me coloca em um grupo aí de nova Iguaçu, aí bota três camaradas do grupo que fazem faculdade lá com a gente e uma puta de Nova Iguaçu. Aí perguntaram onde eu tava, falei que eu tava no recreio. Não, não cê faz o seguinte; cê vem pra cá agora, pq tem uma mulher muito gostosa, ela tá aqui no grupo e ela cobra 300 reais p/h, eu falei "Oi" 300 reais! vem Leandro, vem que é 300, vem com vontade que é 300 reais por hora. Falei "mano, com 300 reais por hora eu passo na praça Paris, ali na Lapa, boto 82 tr4vestis dentro do carro com a porra dum peito grande pra caralho mermão, a bunda enorme, eu dirigindo as piroca tudo batendo na minha cabeça, os tr4vesti tudo eufórico pra caralho, gritando sou o rei! Com 300 reais, porra. Caralho, 300 reais, vou fazer o seguinte, manda a mulher embora que eu vou aí dar o cu pra vocês, não tem ideia, 300 reais ela vai dá o cu? Não vai, eu vou aí dar 300 reais de cu e vou embora. São quantos vocês, 3? Então, vou sair com 1000 reais" caralho, nego tá brincando filho, nego tá pensando que essa porra é assim "Ah não, vem que é 300" caralho, nego tá dando na rua de graça filho, nego tá fudendo igual mendigo na rua, tu sai da igreja pega uma irmãzinha "irmã a paz do senhor" vrau, é assim que tá, aí nego quer 300, tmnc a gente tem que ser muito otário porra.
submitted by Altruistic-Necessary to circojeca [link] [comments]


Mãe – Graça + Briti + Maico + Marraia – Tô de Graça ... Menina Tocando Pandeiro - Nem De Graça  Para Status - YouTube BISSEXUAL! Graça revela que JÁ FICOU COM MULHERES! 👀  Tô ... Promoção maluca! Mulheres de biquíni abastecem carro de graça Jane Gomes  De Graça em Graça 'Grace to Grace' - YouTube Graça está REVOLTADA com a rebeldia de Marraia, Maico e ... Mulher & Futebol - GRAÇA DE GRAÇA Mulheres cheias de graça - Juliana Ribeiro Aleluia, Maria Alegra te ó Cheia de Graça Uma Mulher Cheia de graça - Pr Heber Moreira - YouTube

Mulher!!! Mulher com Graça

  1. Mãe – Graça + Briti + Maico + Marraia – Tô de Graça ...
  2. Menina Tocando Pandeiro - Nem De Graça Para Status - YouTube
  3. BISSEXUAL! Graça revela que JÁ FICOU COM MULHERES! 👀 Tô ...
  4. Promoção maluca! Mulheres de biquíni abastecem carro de graça
  5. Jane Gomes De Graça em Graça 'Grace to Grace' - YouTube
  6. Graça está REVOLTADA com a rebeldia de Marraia, Maico e ...
  7. Mulher & Futebol - GRAÇA DE GRAÇA
  8. Mulheres cheias de graça - Juliana Ribeiro
  9. Aleluia, Maria Alegra te ó Cheia de Graça
  10. Uma Mulher Cheia de graça - Pr Heber Moreira - YouTube

Por essa ninguém esperava! Graça revelou para os filhos que é bissexual e já teve um relacionamento sério com outra mulher! Ela ainda suspeita que essa seja ... --- Sure Heart --- ⬇️📱 CONTATOS 📱⬇️ WHATSAPP - 12981249478 YOUTUBE - Sure Heart INSTAGRAM - https://www.instagram.com/thirodriguees_/ ️TROCAR UMA ... Os filhos de Dona Graça não dão sossego. Cada hora é um azucrinando a vida desta mãe. E tudo fica ainda pior quando ela descobre que se depilou para comemora... 1) Congresso de Mulheres - 18/07/2016 (Pra. Rossana Lira / Como ser cheia do Espírito Santo de Deus) - Duration: 1:43:05. Igreja Batista Filadélfia em Águas Claras 18,456 views Um posto de combustíveis de Kiev, capital da Ucrânia, fez uma promoção maluca: mulheres de biquíni abasteceram o carro de graça. Não está claro o que levou a... 🚨 SE LIGA! A nova temporada do Tô de Graça estreia no próximo dia 19/08 🚨 O clima tá tenso na casa da Graça. Além de ter acabado a água, Marraia e Maico não ... Clipe oficial da canção 'De Graça em Graça' interpretado por Jane Gomes, gravado durante a Conferência do Espírito Santo na Lagoinha Teresópolis/RJ e lançado... Louvores e Adoração - 60 Hinos Para Sentir o Agir De Deus - Melhores Músicas Gospel 2020 GOSPEL GENERAL 2019 1,033 watching Live now Oceans (Where Feet May Fail) - Hillsong UNITED - Live in ... A mulher que gosta- e entende- de futebol sofre. Provavelmente as que entendem de carros também. Assim como os homens que cozinham ou entendem de moda. “A saudação do anjo: Alegre-te, cheia de graça! O Senhor está contigo.” ... Alegre-te, cheia de graça! O Senhor está contigo.” Lc 1.28 – Bíblia de Jerusalém Para saber mais sobre ...